Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, quarta-feira, 26 de dezembro de 2018.

Jornal do Comércio

Geral

COMENTAR | CORRIGIR

Saúde

Edição impressa de 26/12/2018. Alterada em 26/12 às 01h00min

Número de praticantes de exercícios físicos aumenta 24,1%

Quantidade de atletas corredores aumentou 194% no País

Quantidade de atletas corredores aumentou 194% no País


MARCOS NAGELSTEIN/ARQUIVO/JC
Se você tem a sensação de que, ao transitar pelas ruas e academias, avista, cada vez mais, um número maior de pessoas praticando corrida, saiba que sua percepção tem fundamento. A Pesquisa de Vigilância de Fatores de Risco e Proteção para Doenças Crônicas por Inquérito Telefônico (Vigitel) 2017, elaborada pelo Ministério da Saúde, aponta que a quantidade de atletas corredores aumentou 194% no País entre 2006 e 2017.
O estudo também revela uma maior procura pelas modalidades de luta, incluindo artes marciais como judô, karatê e kung fu no mesmo período. Nesse caso, o aumento foi de 109%. Ao mesmo tempo, o futebol vem perdendo espaço nas capitais brasileiras. Durante o intervalo analisado, o total de praticantes da categoria desportiva caiu quase pela metade (43,5%).
De acordo com o ministério, a caminhada é o exercício físico mais comum, sendo praticado por 33,6% da população. Na sequência, aparecem a musculação (17,7%), o futebol (11,7%) e as lutas e artes marciais (2,3%).
Além disso, estima-se que 37% da população das capitais brasileiras façam, ao menos, 150 minutos de atividade física por semana, mínimo recomendado pela Organização Mundial da Saúde (OMS). Fragmentada nos sete dias da semana, a duração é de, aproximadamente, 22 minutos diários. O índice é motivo de comemoração - de 2006 até 2017, o crescimento foi de 24,1%.
No Vigitel, o nível de atividade física dos adultos pode ser avaliado em quatro domínios: no tempo livre (lazer), na atividade ocupacional, no deslocamento e no âmbito das atividades domésticas. São considerados ativos os adultos que praticam atividades físicas por, pelo menos, 150 minutos de exercícios de intensidade moderada por semana ou, pelo menos, 75 minutos semanais de atividade física de intensidade vigorosa. Caminhada, caminhada em esteira, musculação, hidroginástica, ginástica em geral, natação, artes marciais e luta, ciclismo, voleibol/futevôlei e dança foram classificados como práticas de intensidade moderada. Já corrida, corrida em esteira, ginástica aeróbica, futebol/futsal, basquetebol e tênis compõem o grupo de práticas de intensidade vigorosa.
Os pesquisadores destacam, ainda, uma predominância do hábito entre homens (43,4%) e entre pessoas nas faixas etárias de 18 a 24 anos (49,1%) e de 25 a 34 anos (44,2%). Outra relação evidenciada pelo Ministério da Saúde é o grau de escolaridade dos desportistas, considerando que 47% dos brasileiros que praticam atividade física já têm completos 12 anos ou mais de educação formal.
As capitais brasileiras onde menos se pratica atividade física, conforme a pesquisa, são São Paulo (29,9%), João Pessoa (34,45) e Recife (35,2%). Distrito Federal (49,6%), Palmas (45,9%) e Macapá (45,5%), por outro lado, apresentam os melhores índices.
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia