Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, quinta-feira, 13 de dezembro de 2018.

Jornal do Comércio

Geral

COMENTAR | CORRIGIR

Transporte

Edição impressa de 13/12/2018. Alterada em 13/12 às 01h00min

Passageiros já podem usar cartão para recarga do TRI

Depois de 20 meses de espera, empresas colocaram serviço à disposição ontem

Depois de 20 meses de espera, empresas colocaram serviço à disposição ontem


/MARCO QUINTANA/JC
Depois de 20 meses, os passageiros do transporte coletivo de Porto Alegre já podem fazer a recarga do cartão TRI usando cartões de crédito e débito. A facilidade está disponível, por enquanto, por aplicativo, no app TRI, que pode ser baixado nas lojas dos sistemas iOS (Apple) e Android, e pelo site do TRI (www.tripoa.com.br). Ainda não é possível usar a facilidade do cartão para a recarga nos postos físicos administrados pela Associação dos Transportadores de Passageiros de Porto Alegre (ATP).
Um detalhe importante é que é cobrada uma taxa por recarga - de 2% no débito, e de 2,5% no crédito. O decreto do município que deu 15 dias para que a modalidade estivesse ativa permite às empresas cobrarem uma taxa de conveniência pelo serviço. O novo saldo é ativado em um dia útil.
O pagamento com cartões foi previsto em um dos primeiros decretos assinados pelo prefeito Nelson Marchezan Júnior, em janeiro de 2017. O decreto previa dois meses para a funcionalidade estar disponível. O Jornal do Comércio mostrou, no começo de dezembro, que, 20 meses depois do prazo estipulado, a modalidade de pagamento não estava disponível. Diversos adiamentos ocorreram, além da promessa de implantação, feita pela ATP, que não se confirmou ao longo de 2018.
Após a reportagem, por meio meio de decreto,o prefeito deu 15 dias para que o pagamento com cartão estivesse em funcionamento. O aplicativo liberado ontem é efeito da medida de Marchezan. O prazo também valia para o site do TRI, que foi reestruturado para receber pagamento da nova modalidade.
O vereador Marcelo Sgarbossa (PT) chegou a ir ao Ministério Público de Contas, logo após a reportagem, para pedir investigação e explicações sobre os sucessivos adiamentos. O app faz as recargas, permite cancelar o cartão em caso de perda, furto ou dano, e solicitar uma segunda via. Também permite ver o saldo de créditos para usar o transporte.
Mais de 1 milhão de pessoas possuem o TRI. "O aplicativo agrega vantagens e facilita a vida do passageiro. Estamos trabalhando para trazer maior competitividade, eficiência e segurança ao serviço de transporte coletivo", disse o diretor executivo da ATP, Gustavo Simionovschi, em nota.
As empresas ainda devem renovar 100% dos validadores do ônibus. Atualmente, há 600 novos equipamentos instalados. Também está prevista a expansão do projeto de reconhecimento facial, iniciado no final de 2017. Hoje, 600 coletivos já contam com a tecnologia. A previsão é de que esse número suba para 900 nos próximos dias. A inserção do circuito fechado de televisão, que possibilita o monitoramento através de câmeras e traz, entre outros benefícios, maior segurança ao usuário, e a instalação de sistema para rastreamento por GPS também são melhorias previstas. 
 
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia