Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, quarta-feira, 12 de dezembro de 2018.

Jornal do Comércio

Geral

COMENTAR | CORRIGIR

Investigação

Alterada em 12/12 às 10h54min

João de Deus aparece pela primeira vez após denúncias de assédio

Médium chegou em casa espiritual para prestar atendimentos e, após 10 minutos, foi embora por conta de confusão

Médium chegou em casa espiritual para prestar atendimentos e, após 10 minutos, foi embora por conta de confusão


Marcelo Camargo/Agência Brasil/JC
Folhapress/Folhapress
O médium João Teixeira de Faria, conhecido internacionalmente como João de Deus ou "John of God", chegou para prestar atendimentos às 9h30min desta quarta-feira (12) na Casa Dom Inácio de Loyola, espécie de hospital espiritual criado por ele em Abadiânia, no interior de Goiás. Houve tumulto no momento da chegada. Ao vê-lo, alguns fiéis começaram a bater palmas. Outros reclamavam da presença da imprensa. "Respeitem meu pai", disse uma voluntária.
Essa é a primeira vez que o médium aparece publicamente desde esse sábado (8), quando 12 mulheres o acusaram de abuso sexual durante atendimentos no local. Os relatos foram divulgados pelo programa Conversa com Bial e jornal O Globo.
Desde então, o número de denúncias cresce a cada dia, situação que levou o Ministério Público de Goiás a anunciar uma força-tarefa para receber relatos e depoimentos em parceria com outros estados. Por volta das 6h50min, a fila para entrar na "sala das correntes", onde pacientes vestidos de branco que já frequentam a casa ficam em oração e fazem meditação, já atravessava toda área principal da casa.
Caixas de som tocavam músicas religiosas, como "Ave Maria", enquanto televisores mostravam imagens de cirurgias espirituais com cortes físicos feitos no passado por João de Deus. Às 8h, todas as cadeiras do espaço já estavam ocupadas.
Pacientes, no entanto, evitavam falar com a imprensa que se acumulava junto à recepção à espera do médium. "Vamos esperar uma orientação para saber se podemos falar", justificou uma delas à reportagem.
Outros pedem para não serem identificados. Pela terceira vez em Abadiânia, uma americana disse à reportagem que, apesar de ouvir os relatos de abuso sexual envolvendo o médium, pretende manter as visitas. "Sinto que esse lugar é especial", afirma. "O futuro vai nos dizer a verdade."
A técnica de enfermagem Berenice Alves, 60, era uma das fiéis que esperavam pelo médium na manhã desta quarta. Moradora de Barão de Grajaú, no Maranhão, ela veio para Abadiânia pela primeira vez há seis anos em busca de cura espiritual para enxaqueca. "Ele disse para mim: você vai ficar boa. E hoje não sinto nada", diz. Desde então, visita o local ao menos duas vezes ao ano. "Fico na gratidão de vir."
Para ela, as acusações preocupam. "Tenho muita fé nele. Muita gente dava exemplo de que dava certo. Se a minha dor voltar e ele não estiver aqui, como fica? É muito triste essa situação." "Isso não favorece sua cura", dizia uma atendente a quem perguntava sobre a situação da Casa diante das denúncias -caso da reportagem.
Após a chegada do médium, funcionários chegaram a anunciar que ele falaria com a imprensa. Seguranças e fiéis empurravam câmeras e jornalistas que tentavam acompanhá-lo. Alguns desferiram socos e pontapés. Em meio à confusão, o médium deixou o local menos de dez minutos após a chegada.
Em menos de dois dias, a Promotoria afirma ter feito ao menos 206 atendimentos de mulheres que se identificam como vítimas de abuso sexual por João de Deus. Em comum, a maioria delas diz que receberam um aviso de "procurar o médium João" em seu escritório ao fim das sessões em que ele atende aos fiéis.
No local, relatam as vítimas, João de Deus dizia que elas precisavam de uma "limpeza espiritual" antes de abusá-las sexualmente. Os relatos levaram a uma queda no movimento na Casa. Voluntários do local ouvidos pela reportagem apontam que o número de visitantes nesta quarta estava ao menos 50% menor. Donos de pousadas também relatavam cancelamentos, a maioria de brasileiros. Só nesta semana, 40 pessoas desistiram das reservas.
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia