Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, terça-feira, 20 de novembro de 2018.
Dia Nacional da Consciência Negra. Dia Universal das Crianças.

Jornal do Comércio

Geral

COMENTAR | CORRIGIR

Saúde

14/11/2018 - 21h12min. Alterada em 14/11 às 21h35min

Cubanos são maioria do Mais Médicos no Rio Grande do Sul

Mercedez Gonzalez atnde crianças e idosos na UBS de Santa Cecília do Sul desde 2016

Mercedez Gonzalez atnde crianças e idosos na UBS de Santa Cecília do Sul desde 2016


ASCOM/DIVULGAÇÃO/JC
Luis Filipe Gunther
Mais da metade dos integrantes do Mais Médicos no Rio Grande do Sul são cubanos. Cuba anunciou nesta quarta-feira (14) o fim do acordo para envio dos profissionais ao Brasil, reagindo a declarações do presidente eleito Jair Bolsonaro. 
Segundo o Ministério da Saúde, 617 dos 1,2 mil médicos do programa no Estado são do país caribenho. Em Porto Alegre, 15 dos 119 médicos ligados ao Mais Médicos são cubanos. Nessa quarta, a pasta anunciou que lançará edital para que médicos brasileiros, prioritariamente, assumam vagas.
Os seis primeiros chegaram ao Rio Grande do Sul em 2013 para atuar em Unidades Básicas de Saúde (UBS) de Caraá, Estância Velha, Charqueadas, Terra de Areia, Sapucaia do Sul e Araricá. Na segunda fase do programa, outros 611 chegaram para preencher vagas desde a Capital ao Interior.
Santa Cecilia do Sul, localizada no Planalto gaúcho, a 300 quilômetros de Porto Alegre, é uma das cidades que são beneficiadas. Dois médicos assumiram atividades de saúde no município. O vice-prefeito da cidade, João Pelissaro, teme que a decisão de Cuba prejudique os 1,8 mil habitantes. Atualmente, além dos atendimentos na UBS, atividades de prevenção são organizadas pela médica cubana Mercedes Gonzalez Pavo.
Para Pelissaro, o cancelamento foi uma “surpresa desagradável para todas as cidades interioranas”. Visitas em casa, palestras e a utilização de medicamentos fitoterápicos são ações desenvolvidas desde a chegada dos cubanos. Caso a vaga não seja preenchida imediatamente, a assistência será afetada. "Uma das qualidades desses profissionais é a capacidade de lidar com ervas medicinais para a prevenção de doenças", complementa o vice-prefeito.
Outro problema é que o custo que é pago pelo programa vai recair no município, que terá de buscar substituto. Pelissaro diz que com a saída de Mercedes, Santa Cecília do Sul passará a gastar, em média, R$ 25 mil reais por mês com um médico ou R$ 300 mil ao ano.
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia