Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, terça-feira, 16 de outubro de 2018.

Jornal do Comércio

Geral

COMENTAR | CORRIGIR

violência

Alterada em 16/10 às 18h06min

Polícia encontra evidências de jornalista foi assassinado dentro de consulado

Estadão Conteúdo
Os investigadores que revistaram o consulado saudita em Istambul nesta terça-feira (16) encontraram evidências de que o jornalista Jamal Khashoggi foi assassinado dentro do local, disse uma autoridade turca de alto escalão. O funcionário falou sob a condição de anonimato, já que a investigação ainda está em andamento. Após as buscas no prédio do consulado, as autoridades agora se preparam para revistar também a casa do cônsul saudita, que deixou o país.
Autoridades sauditas afirmaram que as acusações turcas de que agentes sauditas mataram Khashoggi são "infundadas", mas a imprensa americana sugeriu, nesta terça-feira, que os sauditas podem reconhecer que o jornalista foi morto dentro do consulado, talvez como parte de um interrogatório fracassado. Imagens de vigilância que foram vazadas mostram que carros diplomáticos viajaram do consulado para a casa do cônsul pouco depois do desaparecimento de Khashoggi, em 2 de outubro.
A Turquia insistiu em fazer buscas no local desde o desaparecimento do jornalista e a autorização parece ter vindo depois de uma ligação entre o rei Salman e o presidente turco, Recep Tayip Erdogan, na noite do domingo. Em declarações após a ligação, ambos elogiaram a criação de uma investigação conjunta realizada pelos dois países.
A equipe que realizou a inspeção incluía um promotor, um promotor adjunto, membros da polícia antiterrorismo e especialistas forenses, informou a mídia turca. Certas áreas do consulado permaneceram fora dos limites dos investigadores, embora pudessem inspecionar as câmeras de vigilância, informou a mídia turca.
Erdogan disse a jornalistas que os investigadores procuraram vestígios de materiais "tóxicos" e sugeriu que partes do prédio do consulado podem ter sido recentemente pintadas, mas não forneceu detalhes.
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia