Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, sexta-feira, 31 de agosto de 2018.
Dia do Nutricionista.

Jornal do Comércio

Geral

COMENTAR | CORRIGIR

Estatística

Edição impressa de 30/08/2018. Alterada em 31/08 às 22h46min

Municípios do Litoral são os que mais crescem no Rio Grande do Sul

Capão da Canoa, no Litoral Norte, foi uma das cidades que se destacou pelo aumento da população

Capão da Canoa, no Litoral Norte, foi uma das cidades que se destacou pelo aumento da população


LUIZA PRADO/JC
Isabella Sander
Mais de dois terços das cidades gaúchas (69,8%) registraram redução populacional de 2017 para 2018, segundo a pesquisa Estimativas de População divulgada ontem pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE). Porém, entre as dez que tiveram maior aumento da população, um dado se destaca: sete são litorâneas - Xangri-lá, Arroio do Sal e Balneário Pinhal (9%); Imbé e Cidreira (8%); e Capão da Canoa e Tramandaí (7%). Nova Santa Rita (8%), Tapejara e Tupandi (7%) também estão com uma população maior do que em 2017.
{'nm_midia_inter_thumb1':'https://www.jornaldocomercio.com/_midias/png/2018/08/29/206x137/1_ranking-8456143.png', 'id_midia_tipo':'2', 'id_tetag_galer':'', 'id_midia':'5b874a3173267', 'cd_midia':8456143, 'ds_midia_link': 'https://www.jornaldocomercio.com/_midias/png/2018/08/29/ranking-8456143.png', 'ds_midia': ' ', 'ds_midia_credi': ' ', 'ds_midia_titlo': ' ', 'cd_tetag': '1', 'cd_midia_w': '513', 'cd_midia_h': '217', 'align': 'Left'}
Entre as que tiveram queda, 76% são muito pequenas - com menos de 10 mil habitantes - e representam 66,5% dos municípios gaúchos. Mesmo assim, localidades maiores, como Porto Alegre (-0,4%), Novo Hamburgo (-1,2%), Uruguaiana (-2,1%) e Bagé (-1,1%), também sofreram queda nas suas populações.
Por outro lado, no Estado, houve um pequeno aumento populacional (0,1%), passando de 11.322.895 para 11.329.605 pessoas. O Paraná ultrapassou o Rio Grande do Sul em número de habitantes (0,25%), de 11.320.892 para 11.348.937 pessoas. Com isso, os gaúchos vivem, agora, no sexto estado mais populoso do Brasil, deixando a quinta colocação para os paranaenses.
A nível nacional, o crescimento populacional foi de 0,4%, passando de 207,6 milhões para 208,5 milhões de habitantes. O maior incremento habitacional foi em Roraima (10,3%), que tem recebido diariamente imigrantes vindos da Venezuela em busca de refúgio da crise humanitária que está ocorrendo no país vizinho.
A cidade de São Paulo continua sendo a mais populosa do Brasil, com 12,2 milhões de habitantes, seguida por Rio de Janeiro (6,7 milhões), Brasília e Salvador (cerca de 3 milhões de habitantes cada). Dezessete municípios têm população superior a 1 milhão e, juntos, somam 45,7 milhões de habitantes, ou 21,9% da população do Brasil. Serra da Saudade, em Minas Gerais, possui a menor densidade demográfica, com 786 habitantes. No Rio Grande do Sul, o menor município é Engenho Velho, perto de Frederico Westphalen, com 1.088 pessoas.
No ranking dos estados, os três mais populosos estão na Região Sudeste, enquanto os cinco menos populosos estão na Região Norte. O líder é São Paulo, com 45,5 milhões de habitantes, concentrando 21,8% da população do País. Roraima é o estado menos populoso, com 576,6 mil habitantes (0,3% da população total).
JC
JC
JC
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia