Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, segunda-feira, 27 de agosto de 2018.
Dia do Psicólogo e do Corretor de Imóveis.

Jornal do Comércio

Geral

COMENTAR | CORRIGIR

protestos

27/08/2018 - 12h54min. Alterada em 27/08 às 12h57min

Denunciando a 'morte do funcionalismo', municipários voltam a protestar em Porto Alegre

Servidores caracterizados traziam cartazes que denunciavam a precarização de serviços públicos

Servidores caracterizados traziam cartazes que denunciavam a precarização de serviços públicos


MARCELO G. RIBEIRO/JC
Bruna Oliveira
Completando 28 dias em greve nesta segunda-feira (27), os servidores municipais de Porto Alegre voltaram a protestar nas ruas da Capital. Com carro de som e fantasiados de 'morte', centenas de municipários fizeram uma caminhada saindo do Paço Municipal em direção à avenida Ipiranga.
Os servidores caracterizados, que puxam a frente da manifestação, traziam cartazes que denunciavam a precarização de serviços públicos e essenciais na Capital. "Mortes das praças públicas", "morte do meio passe" e "morte do EJA", eram alguns deles.
A categoria reivindica uma negociação com a gestão do prefeito Nelson Marchezan Júnior sobre o reajuste de salários. De acordo com o Sindicato dos Municipários de Porto Alegre (Simpa), desde o ano passado os servidores não têm aumento, com perdas acumuladas que já somam 6,85%. Eles ainda protestam contra o parcelamento dos salários e contra projetos de lei que retiram direitos da categoria.
O fim de semana também foi de protestos. No domingo, um 'pedalaço pelo diálogo' foi realizado na Praça do Aeromóvel, em frente ao Gasômetro. O ato organizou oficinas culturais e um passeio ciclístico pela Orla do Guaíba até o Parque da Redenção. Outro grupo de trabalhadores da Saúde e do Hospital de Pronto Socorro (HPS) esteve no Brique da Redenção para denunciar 'o descaso da prefeitura' com a saúde pública.
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia