Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, terça-feira, 07 de agosto de 2018.

Jornal do Comércio

Geral

COMENTAR | CORRIGIR

Investigação

Alterada em 07/08 às 10h50min

Operação mira acusados de violência contra mulheres no Rio de Janeiro

Agência Brasil
Policiais civis de todo o estado do Rio de Janeiro cumprem nesta terça-feira (7) mandados de prisão contra acusados de violência doméstica e sexual contra mulheres. A ação envolve as 14 delegacias de Atendimento à Mulher (Deams) do estado. As prisões têm como base a Lei Maria da Penha, que completa 12 anos hoje. A ação, coordenada pela Divisão de Polícia de Atendimento à Mulher (DPAM) do Rio, já resultou em 23 prisões. A operação também conta com o apoio das delegacias de Homicídios, da Polinter e de outros departamentos da Polícia Civil.
Na manhã de segunda-feira (6), uma mulher, que estava grávida, foi assassinada no Complexo do Alemão. O principal suspeito é o marido dela. Policiais militares da Unidade de Polícia Pacificadora (UPP) foram chamados para prender o suspeito e socorrer a mulher, mas foram impedidos por criminosos armados, que atacaram a guarnição da polícia. Quando os policiais chegaram ao local do crime, a mulher já tinha sido levada para a Unidade de Pronto-Atendimento (UPA) do Alemão, mas não resistiu aos ferimentos e morreu.
O marido, que havia se deslocado depois do crime para a escola da filha, de 9 anos, na mesma comunidade, conseguiu fugir dos policiais. Mas ele acabou se entregando à Polícia Civil mais tarde, na Baixada Fluminense.
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia