Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, segunda-feira, 25 de junho de 2018.

Jornal do Comércio

Geral

COMENTAR | CORRIGIR

Relações Internacionais

Alterada em 25/06 às 13h24min

Vinda do vice-presidente dos EUA ao País tenta acelerar acordo para base espacial

Uso da base espacial de Alcântara é principal tema da visita de Mike Pence ao Brasil

Uso da base espacial de Alcântara é principal tema da visita de Mike Pence ao Brasil


EITAN ABRAMOVICH / AFP/JC
O processo para o uso da base espacial maranhense de Alcântara deu mais um passo nesta segunda-feira (25) com a publicação de um acordo-quadro entre Brasil e Estados Unidos na área espacial. A visita nesta terça-feira (26) do vice-presidente norte-americano Mike Pence, presidente do Conselho Nacional Espacial, é um reforço na mesma linha. Porém, o uso comercial da base ainda tem um longo caminho a percorrer, segundo informou o subsecretário geral de Assuntos Políticos Multilaterais, Europa e América do Norte, embaixador Fernando Simas Magalhães.
O acordo-quadro é uma espécie de "guarda-chuva" sob o qual serão detalhadas as formas de cooperação entre os dois países nessa área. Ele lista uma série de atividades na área espacial que poderão ser desenvolvidas. A base de Alcântara, frisou o embaixador, tem uma localização ideal para o lançamento de satélites, por estar na linha do Equador. A partir desse ponto, os veículos podem carregar 30% a mais de carga ou economizar 30% de combustível. Trata-se de um mercado bilionário ao qual o Brasil poderá ter acesso.
No entanto, ainda falta chegar a um acordo de salvaguardas tecnológicas que protejam os direitos de propriedade intelectual norte-americana. As visões de Brasil e EUA quanto a esse tema são diferentes e esse é o ponto da negociação, disse o embaixador, sem entrar em detalhes. "Chegar a um acordo de salvaguardas tecnológicas nos interessa, mas estamos nas fases iniciais", comentou. Ele notou, porém, que o diálogo foi "destravado" no governo de Michel Temer, após ficar em "banho-maria" durante os gestões de Luiz Inácio Lula da Silva (2003-2010) e Dilma Rousseff (2011-2016).
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia