Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, quarta-feira, 20 de junho de 2018.

Jornal do Comércio

Geral

COMENTAR | CORRIGIR

Ensino Superior

Notícia da edição impressa de 20/06/2018. Alterada em 20/06 às 09h03min

Estudantes de Medicina da UCS protestam contra aumento de 178,6% na mensalidade

Alunos fazem manifestação com cartazes dizendo que UCS "trata educação como produto"

Alunos fazem manifestação com cartazes dizendo que UCS "trata educação como produto"


ROBERTA FRANCA/DIVULGAÇÃO/JC
Sofia Schuck
O aumento de 178,6% que pode levar a mensalidade dos últimos anos da faculdade de Medicina da Universidade de Caxias do Sul (UCS) para R$ 11,7 mil está provocando protestos dos estudantes. Ontem, ocorreu uma nova manifestação em frente à reitoria. A mensalidade atual pode passar de R$ 4,2 mil para R$ 11,7 mil no segundo semestre deste ano para a fase do internato, que abrange os últimos dois anos da formação médica. A elevação tem relação com o novo currículo, informa uma comissão de alunos que tenta rever o patamar de aumento aplicado pela instituição.
A assessoria de imprensa da instituição informou que a universidade não vai se manifestar sobre o assunto. Caso o valor seja mantido, a universidade da serra gaúcha deve se tornar uma das mais caras do Sul do Brasil e, possivelmente, do Rio Grande do Sul. O aumento afeta a todos que ingressaram a partir do segundo semestre de 2014. No protesto, os estudantes portavam cartazes acusando a UCS de "tratar a educação como produto". A manifestação ocorreu enquanto representantes dos alunos se reuniram com a administração da universidade. 
O encontro ocorrido ontem foi o primeiro desde a oficialização dos novos valores. A comissão dos acadêmicos apresentou uma proposta de redução das mensalidades. Uma das integrantes da comissão, Roberta Franca, relata que, atualmente, existe um desconto de 44,11% no valor do crédito no início do internato e que a UCS tem afirmado que não pode mais aplicar essa redução. Se fosse mantida a regra, o valor teria que ser de R$ 6,5 mil. "Por isso, as mensalidades chegam a esses valores exorbitantes, que ultrapassam até os limites de crédito do Fundo de Financiamento Estudantil (Fies), o que prejudica os alunos", argumenta.
Na reunião, a UCS propôs reduzir em 14,43% o valor de R$ 11,7 mil, passando para cerca de R$ 10 mil, além de parcelar o pagamento em 36 vezes. Para chegar no valor da mensalidade do internato, é sempre aplicado reajuste sobre os créditos em vigor. "A proposta não agrada aos alunos. Vamos analisar e definir os próximos passos", adianta Roberta. No segundo semestre, 46 alunos da universidade seriam afetados pelos novos preços praticados pela instituição. 
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia