Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, segunda-feira, 11 de junho de 2018.
Dia da Marinha Brasileira.

Jornal do Comércio

Geral

COMENTAR | CORRIGIR

igreja católica

11/06/2018 - 10h22min. Alterada em 11/06 às 11h14min

Papa aceita renúncia de bispos chilenos suspeitos de pedofilia

Decisão foi anunciada seis meses após a visita do pontífice ao Chile, marcada por protestos de vítimas

Decisão foi anunciada seis meses após a visita do pontífice ao Chile, marcada por protestos de vítimas


FILIPPO MONTEFORTE /AFP/JC
Agência Brasil
O papa Francisco aceitou nesta segunda-feira (11) a demissão de três bispos do Chile - entre eles Juan Barros, acusado de ter protegido um padre pedófilo. A decisão foi anunciada seis meses após a visita ao Chile, que foi marcada por protestos de vítimas de abuso sexual, cometido por integrantes da Igreja Católica.
Em janeiro, o papa mal chegou ao Chile e pediu perdão pelos crimes de abuso sexual, encobertos pelo Vaticano e que ele prometeu punir. Porém, Francisco defendeu Barros, que ele mesmo nomeou bispo de Osorno, em 2015, em meio a acusações de que o sacerdote teria protegido Fernando Karadima - padre que havia sido condenado quatro anos antes, pela própria Igreja, por pedofilia.
"No dia em que me trouxerem uma prova contra o bispo Barros, falarei", disse o papa na ocasião, durante a visita ao Chile. "Não ha nenhuma prova. Tudo é calúnia", acrescentou. Juan Carlos Cruz, uma das vítimas de Karadima, respondeu ao papa, no Twitter. "Como se eu pudesse tirar uma selfie enquanto Karadima abusava de mim, enquanto Juan Barros estava parado ao lado, vendo tudo".
Barros sempre negou as acusações. Mas os protestos levaram o papa a encomendar nova investigação, ouvindo testemunhos de bispos e das vítimas de abuso sexual no Chile. Quando recebeu os resultados, detalhados num documento de 2,3 mil páginas, Francisco novamente pediu perdão. Só que desta vez por ter errado na sua avaliação.
Em maio, todos os 34 bispos chilenos pediram demissão. A Conferência Episcopal do Chile confirmou que o papa aceitou as renúncias de Barros e de mais dois bispos: Cristián Caro e Gonzalo Duarte.
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia