Vanessa e Ricardo abriram a Petisco Brazuca no Brooklyn Vanessa e Ricardo abriram a Petisco Brazuca no Brooklyn Foto: /PETISCO BRAZUCA/DIVULGAÇÃO/JC

Brasileiros lançam rede de coxinhas nos EUA

A Petisco Brazuca pretende apresentar aos americanos os principais quitutes brasileiros

Levar a culinária de rua brasileira para os Estados Unidos. Com esse objetivo, a paulista Vanessa Oliveira e o pernambucano Ricardo Rosa, ambos de 30 anos, criaram, em 2013, a Petisco Brazuca. O carro-chefe da snack shop não poderia ser outro: a coxinha. A ideia, que começou na cozinha do casal, saiu do papel como um e-commerce e ganhou sua primeira loja física em 2018 no Brooklyn, em Nova Iorque.
Nesta entrevista, Ricardo conta como é empreender fora do Brasil. 
GeraçãoEComo surgiu o desejo de empreender em outro país?
Ricardo Rosa - Nós sempre tivemos essa veia empreendedora, e isso se intensificou depois que comecei a dar aula em uma escola de Business na cidade de São Paulo. Em 2010, criamos nosso primeiro empreendimento em conjunto, um bazar itinerante de produtos importados. O projeto deu muito certo no primeiro ano, e as nossas viagens frequentes para os Estados Unidos em busca de produtos para o bazar acabaram despertando a nossa vontade de fazer algo no país. 
GE - Como foi a receptividade do público norte-americano com os petiscos?
Ricardo - A receptividade do público é a melhor possível, principalmente do nova-iorquino. A cidade é cosmopolita e com pessoas do mundo todo, essa diversidade cultural nos ajudou muito a introduzir o produto. A cultura norte-americana é ávida por novidade e está sempre aberta ao novo. Os nossos clientes brasileiros têm um papel fundamental para a aceleração de entrada dos nossos produtos entre o público norte-americano, afinal, eles funcionam como um cartão de visita, apresentando as coxinhas em eventos corporativos, festas particulares e reuniões familiares.
GE - Como foi o passo para abrir a primeira loja? 
Ricardo - Embora tivéssemos iniciado o projeto através de um e-commerce, notamos que plataformas mobile de entrega de comida, como Uber Eats, Seamless e Grubhub, são extremamente presentes nos hábitos dos norte-americanos. Por isso, decidimos desenvolver um aplicativo disponível para os sistemas iOS e Android que pudesse facilitar a vida dos clientes que quisessem fazer um pedido de última hora. Mesmo com o sucesso e a praticidade do nosso aplicativo, sentimos, através do feedback de clientes e parceiros, que era necessário ter uma loja física a fim de proporcionar uma experiência diferenciada. A primeira unidade foi inaugurada em setembro de 2018 no coração do Brooklyn, em Nova Iorque.
GE - Qual o maior desafio de empreender fora do país?
Ricardo - O maior desafio para qualquer empreendedor que deseja desenvolver um projeto fora do país é adequar as estratégias para a cultura local. É preciso entender os hábitos de consumo antes de fazer qualquer coisa. Muitas empresas são planejadas como se estivessem no Brasil, e isso faz com que a jornada seja ainda mais difícil. Nós decidimos abrir em um local com "0%" de influência da "comunidade brasileira" justamente para entender o comportamento de consumo do público local. Sabemos que é importante o apoio do público brasileiro, mas é a aceitação dos norte-americanos que irá garantir a longevidade da empresa.
PETISCO BRAZUCA/DIVULGAÇÃO/JC
Compartilhe
Comentários ( 1 )
  1. Gabriel Mariano

    Um país ótimo para iniciar um comércio como esses! Mais uma dica pra quem ama fazer coxinhas é fazer coxinhas doces olham só essas receitas sobre: https://hotm.art/receitas-gourmet

Publicidade
Mostre seu Negócio