Porto Alegre, sábado, 27 de março de 2021.
Dia Internacional do Teatro e Dia do Circo.

Jornal do Comércio

Porto Alegre,
sábado, 27 de março de 2021.
Corrigir texto

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Fórmula 1

- Publicada em 08h10min, 27/03/2021.

F-1 tenta retomar normalidade; Hamilton busca recorde nesta temporada

GP do Bahrein, neste domingo, marca a abertura da temporada 2021 da categorias mais charmosa do automobilismo

GP do Bahrein, neste domingo, marca a abertura da temporada 2021 da categorias mais charmosa do automobilismo


ANDREJ ISAKOVIC/AFP/JC
Depois de uma temporada tumultuada pela pandemia, a Fórmula 1 tenta restabelecer este ano a normalidade com a proposta de um calendário cheio. O campeonato, que começou oficialmente na sexta-feira (26), com os primeiros treinos para o GP do Bahrein, tem 23 etapas previstas. Será o mais longo da história. Nele, o grande favorito, o inglês Lewis Hamilton, poderá se tornar absoluto como o maior campeão da categoria.
Depois de uma temporada tumultuada pela pandemia, a Fórmula 1 tenta restabelecer este ano a normalidade com a proposta de um calendário cheio. O campeonato, que começou oficialmente na sexta-feira (26), com os primeiros treinos para o GP do Bahrein, tem 23 etapas previstas. Será o mais longo da história. Nele, o grande favorito, o inglês Lewis Hamilton, poderá se tornar absoluto como o maior campeão da categoria.
A Covid-19 ainda é um temor para a F-1. A temporada começa com alguns pilotos vacinados, mas com uma série de exigências para testes e cuidados com o distanciamento. Ter um Mundial impecável é importante até para a categoria repor as perdas financeiras do ano passado, quando houve o cancelamento de várias provas e a falta do dinheiro dos ingressos.
A temporada pode colocar Hamilton no posto de melhor piloto de todos os tempos, caso ele ganhe o oitavo título da carreira. Atualmente, está ao lado de Michael Schumacher, com sete conquistas, embora leve a melhor em critérios comparativos como vitórias (95 a 91) e pole positions (98 a 68).
O inglês ganhou seis dos últimos sete campeonatos e parece não ter adversários à altura. O companheiro na Mercedes, Valtteri Bottas, carece de regularidade. Já os demais concorrentes no grid não contam com o mesmo equipamento nem têm o seu talento.
A rotineira cena de Hamilton no alto do pódio reforça também a postura do piloto como voz ativa contra o racismo. Ele se empenhou bastante no assunto ao longo do ano passado e promete continuar na luta. Para ele, não basta ser campeão só dentro das pistas.

Fernando Alonso retorna à categoria e promete ser competitivo

Uma das boas novidades da categoria este ano é um velho nome. Após dois anos de afastamento, Fernando Alonso está de volta. O bicampeão mundial (2005/2006) retorna com muita expectativa e sedento por vitórias. Afinal, entre 2018 e 2019 ele percorreu diversas categorias, do Rally Dakar à Fórmula Indy, e só encontrou algum sucesso nas 24 Horas de Le Mans. Não foi o suficiente.
Nos testes da pré-temporada, o espanhol mostrou que ainda pode fazer bonito na F-1. Exibiu potência, deixou os carros da Ferrari para trás e indicou que o campeonato pode ser mais equilibrado do que o esperado. Depois das temporadas frustrantes com a McLaren, Alonso decidiu voltar para a F-1 com a Renault, pela qual faturou seus dois títulos mundiais.
O time francês foi um dos dois que mudaram de nome. Agora se chama Alpine, trocando o amarelo pelas cores da bandeira da França. O outro time rebatizado foi a Racing Point, que passou a ser Aston Martin, marca que faz sua terceira passagem pela F-1 - chegou a ser construtora na década de 1950.
A escuderia é bancada pelo bilionário canadense Lawrence Stroll, que manteve seu filho Lance como piloto. O outro será o tetracampeão Sebastian Vettel, que deixou a Ferrari.
O time italiano aposta em mudanças para reagir em 2021. A começar por uma reformulação do motor e novidades na aerodinâmica, principalmente na parte traseira. Espera voltar a brigar pelo título depois da decepção em 2020, quando terminou na sexta posição no Mundial de Construtores, sua pior colocação desde 1980. Para tanto, conta com o talento dos jovens Charles Leclerc e Carlos Sainz Jr., o substituto de Vettel.
Entre os estreantes estão Yuki Tsunoda e Nikita Mazepin. O japonês vai correr pela AlphaTauri e é quem gera as maiores expectativas. Chega à F-1 amparado pelo aprendizado nas academias da Honda, fornecedora de motor do time e da Red Bull, dona da AlphaTauri.
O russo Mazepin chega à Haas com apoio do patrocinador master, uma grande empresa russa de fertilizantes. Sua contratação já foi cercada de polêmica, por causa de uma acusação de assédio sexual.

Após muita disputa interna, Brasil retorna com o GP São Paulo

Os últimos dois anos foram de polêmicas, expectativas e diversas promessas envolvendo o GP do Brasil. Mas a novela acabou no fim do ano passado, quando São Paulo acertou a renovação do contrato com a F-1 por mais cinco anos. O novo acordo, porém, traz um detalhe importante. A prova em Interlagos se chamará, a partir deste ano, GP de São Paulo. Em 2020, a corrida foi cancelada por causa da pandemia.
Contudo, para São Paulo sediar o GP em 2021 novos obstáculos precisarão ser superados. Uma decisão da Justiça exige garantias financeiras para que a nova empresa responsável pelo GP, a MC Brazil Motorsport Holding Ltda., seja liberada para organizar o evento. O valor do contrato com a F-1, pelos cinco anos, é de R$ 100 milhões.

Sem acerto com a Globo, Band é a nova casa da F-1 no Brasil

Depois de mais de 40 anos, a transmissão da Fórmula 1 no Brasil mudou de endereço. A Rede Globo deixa de ser a emissora oficial e a partir deste ano as provas serão exibidas na Band. Outra novidade para o País é a oportunidade de acompanhar a temporada por streaming.
A categoria abriu para o mercado brasileiro a oferta do F1TV Pro, serviço que dá acesso aos fãs para câmeras onboard de todos os carros, dados de pilotagem e às conversas de rádio das equipes. "O Brasil é um mercado importante para nós para esse produto. Estamos ansiosos para ver o impacto desse lançamento", disse o diretor de direitos de TV da categoria, Ian Holmes.
Na TV, a Band vai transmitir as 23 corridas e exibir os treinos no canal fechado BandSports. A emissora recrutou parte da equipe jornalística que fazia a cobertura da categoria pela Globo, entre eles profissionais como o comentarista Reginaldo Leme e a repórter Mariana Becker.

Como ver o GP do Bahrein

Sexta-feira (26), 8h30 - 1º Treino livre - BandSports e F1 TV Pro*
Sexta-feira (26), 12h - 2º Treino livre - BandSports e F1 TV Pro*
Sábado (27), 9h - 3º Treino livre - BandSports e F1 TV Pro*
Sábado (27), 12h - Treino classificatório - Band, BandSports e F1 TV Pro*
Domingo (28), 12h - Corrida - Band e F1 TV Pro*
*A assinatura da plataforma de streaming F1 TV Pro custa R$ 28,90 por mês
Comentários CORRIGIR TEXTO