Porto Alegre, domingo, 27 de dezembro de 2020.

Jornal do Comércio

Porto Alegre,
domingo, 27 de dezembro de 2020.
Corrigir texto

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Grêmio

- Publicada em 10h36min, 26/12/2020. Atualizada em 17h00min, 27/12/2020.

Faixa de torcedor inspirou Lupicínio Rodrigues no hino gremista

Lupicínio e outras personalidades e fatos marcantes da história tricolor estão na obra do jornalista

Lupicínio e outras personalidades e fatos marcantes da história tricolor estão na obra do jornalista


REPRODU/ARQUIVO/JC
Os torcedores do Grêmio sabem na ponta da língua os versos "com o Grêmio onde o Grêmio estiver", do hino escrito em 1953 por Lupcínio Rodrigues, compositor negro e ícone da cultura gremista. A inspiração de Lupicínio veio de uma faixa que passou a acompanhar a torcida organizada cerca de uma década antes.
Os torcedores do Grêmio sabem na ponta da língua os versos "com o Grêmio onde o Grêmio estiver", do hino escrito em 1953 por Lupcínio Rodrigues, compositor negro e ícone da cultura gremista. A inspiração de Lupicínio veio de uma faixa que passou a acompanhar a torcida organizada cerca de uma década antes.
A faixa dizia, porém, "Com o Grêmio onde estiver o Grêmio", na ordem inversa. "Ele só mudou a ordem para acertar a rima", disse Salim Nigri, o jovem torcedor judeu que levou a faixa para o estádio pela primeira vez. Nigri morreu em 2010, aos 82 anos.
Agora, sua história é contada no livro "A Fonte" (AGE, 2020), do jornalista Léo Gerchmann. O autor já escreveu outras obras sobre a história do time, como "Coligay: Tricolor e de todas as cores" (Libretos, 2014), sobre a torcida gay do time, e "Somos Azuis, Pretos e Brancos" (L&PM, 2015), sobre a presença negra na equipe.
A explicação para o título, segundo o autor, é óbvia. "Salim é a fonte de todo um sentimento de perseverança. Alguém que ficou cego muito jovem e tocou a vida adiante, fez coisas grandiosas e se comunicou muito", diz Gerchmann.
A faixa não fez sua primeira aparição no estádio gremista, mas na casa de um adversário. Era 26 de maio de 1946. O Tricolor enfrentou o Renner, no estádio Tiradentes, que não existe mais. O último jogo que o Grêmio disputou no Tiradentes foi em 1960.
Apesar da expectativa dos torcedores para incentivar o time na largada do campeonato, eles ficaram frustrados com o placar favorável ao Renner: 4 a 2. Os gols tricolores foram marcados pelo uruguaio Esteban Sanguinetti Vasquez e pelo argentino Moisés Beresi.
"Foi uma ducha fria. Mas felizmente a coisa engrenou, e conquistamos o título. A torcida vibrou como jamais havia vibrado", disse Nigri em depoimento reproduzido na biografia.
Judeu sefardita, seus pais tinham antepassados no Marrocos e no Líbano. O pai, Alberto, foi um dos fundadores da sinagoga Centro Hebraico Riograndense, em 1922.
"Ele veio de uma família de imigrantes que fugiu da perseguição, como aqueles que chegaram ao país na época. O futebol dava a oportunidade de pertencimento, essa possibilidade de identificação com o clube, não necessariamente só com o Grêmio. Muita gente acabou se voltando ao futebol porque era uma forma de pertencer a alguma coisa e ter uma identificação", afirma Gerchmann.
Quando era criança, Nigri chegou a sofrer com o antissemitistimo. O preconceito partiu de um professor do garoto, no Colégio Rosário, tradicional na capital gaúcha. "Um professor dizia na sala de aula que judeus tinham rabo. Aquilo o deixava confuso. Salim saía da aula intrigado. Entrava no banheiro e procurava o tal rabo, evidentemente sem nunca tê-lo encontrado. Foram anos de sofrimento", escreveu o biógrafo.
O episódio colaborou para que seus pais o transferissem para um colégio público, o então renomado Colégio Júlio de Castilhos, próximo do Parque Farroupilha, conhecido pelos gaúchos como Redenção.
Foi ali que ele desenvolveu sua liderança e organizou as primeiras torcidas para empolgar as disputas esportivas estudantis. Aos 18 anos, se tornou bibliotecário do Grêmio e ajudou a criar o Departamento do Torcedor Gremista (DTG) durante a gestão do presidente José Gerbase.
O responsável pelo DTG seria Francisco Maineri, que incentivou o chargista Pompeo, da Folha da Tarde, a criar o Mosqueteiro, também um símbolo gremista. O Mosqueteiro nasceu em 1946, mesmo ano da faixa de Nigri.
"Se vocês olharem o Mosqueteiro da época, ele é barrigudão, tal qual o Francisco Maineri. Durante muitos anos eu guardei segredo disso, porque o Maineri era um homem sério", relembra Nigri no depoimento resgatado pelo biógrafo.
O jovem torcedor judeu, que mais tarde ficaria cego por uma doença genética, estava satisfeito com o trabalho no clube. "Quando a torcida engrenou, comecei a arrecadar dinheiro para comprar foguetes. Tinha uma turma que colaborava comigo, que me ajudava a fazer as faixas", recordou.
O esforço parecia dar resultado: "Esse foi meu grande ano no Grêmio; fui muito feliz, porque consegui fazer aquilo que eu queria, e o time ganhou o campeonato".
Comentários CORRIGIR TEXTO