Porto Alegre, domingo, 20 de dezembro de 2020.

Jornal do Comércio

Porto Alegre,
domingo, 20 de dezembro de 2020.
Corrigir texto

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Grêmio

- Publicada em 10h43min, 17/12/2020. Atualizada em 21h35min, 20/12/2020.

Acordo garante obras no entorno da Arena e prepara antecipação da gestão do Grêmio

Obras no entorno da Arena envolvem desde ampliação de vias e infraestrutura na região

Obras no entorno da Arena envolvem desde ampliação de vias e infraestrutura na região


LUIZA PRADO/JC
Patrícia Comunello
Um dia após a derrota do Grêmio para o Santos e a despedida da Libertadores da América 2020, uma negociação há muito esperada finalmente foi confirmada. Saiu o acordo "preliminar" para resolver as obras do entorno da Arena do Grêmio, na Zona Norte de Porto Alegre, e que preparam as condições para a antecipação da gestão do estádio para o Tricolor.
Um dia após a derrota do Grêmio para o Santos e a despedida da Libertadores da América 2020, uma negociação há muito esperada finalmente foi confirmada. Saiu o acordo "preliminar" para resolver as obras do entorno da Arena do Grêmio, na Zona Norte de Porto Alegre, e que preparam as condições para a antecipação da gestão do estádio para o Tricolor.
O estádio erguido pela construtora OAS tem previsão de passar ao clube somente em 2033, mas as tratativas em andamento abreviam o prazo para 2021.
No fim de 2019, o presidente Romildo Bolzan Junior chegou a anunciar uma equação financeira para permitir o custeio das obras, que cabem à gestora atual, a Arena Porto-Alegrense, e à incorporadora Karagounis. A empreiteira é dona da gestora e tem parte do capital da Karagounis.  
Audiência realizada nessa quarta-feira (16) na Justiça gaúcha selou o acordo entre o Ministério Público Estadual (MP-RS), prefeitura da Capital, Arena Porto-Alegrense e a incorporadora Karagounis. O Grêmio assina como "colaborador", explica o CEO do clube, Carlos Humberto Amodeo Neto, que acompanha as negociações ao lado de Bolzan Junior.  
A condição do Tricolor se explica porque o clube não é responsável direto pelas intervenções, que foram acertadas ainda na construção do estádio como compensações pelos impactos à região. Quem ergueu a Arena, inaugurada em 2012, foi a OAS. Alvo da Operação Lava Jato, devido a atos de corrupção ligados à União e estatais, a construtora enfrentou problemas financeiros e entrou em recuperação judicial, afetando subsidiárias e garantias para cumprir obras.   
Com o descumprimento até hoje das medidas, que foram revisadas nos anos recentes devido à não execução de todo o complexo na região, que teria centro de eventos e hotel, reduzindo o aporte da incorporadora e da gestora, o MP-RS ajuizou ação, após fracassar na busca de acordo durante os procedimentos ainda administrativos.    
No começo da tarde desta quinta-feira (17), o prefeito Nelson Marchezan Júnior, o procurador-geral do Município, Carlos Eduardo da Silveira, e os promotores Alexandre Saltz e Ricardo Schinestsck Rodrigues detalharam os termos da negociação.
"O acordo preliminar já prevê obras a serem realizadas nos próximos meses e estabelece as premissas necessárias para o acordo definitivo, com obrigações a serem assumidas pela Arena Porto-Alegrense e garantias prestadas pela própria empresa e pela Karagounis", diz o município, em nota.
A expectativa é que a gestora e a incorporadora comecem obras na área de drenagem no começo do ano. Também tem previsão de duplicação de avenidas e melhorias de acessos ao estádio que seriam executados mais à frente. Devido à pandemia, não há público nos jogos desde março. 
As intervenções melhorarão vias e acessos à própria Arena, que hoje estão precários. A avenida Leopoldo Brentano, que passa ao lado do estádio e deve ser duplicada, tem trechos quase intransitáveis na área que entra mais no bairro Humaitá.
A duplicação da avenida AJ Renner está na lista, mais reformulação de trecho da avenida Pedro Boessio, construção de uma nova sede para o posto da 2ª Companhia do 11º Batalhão da Brigada Militar e ainda serviços de desassoreamento de parte da rede de macrodrenagem, responsável pelos alagamentos de parte do bairro. 

O Grêmio, garantias das obras e antecipação da gestão

A negociação para o acordo envolve uma equação financeira para garantir o custeio das obras e a passagem a gestão do ativo antes do prazo. O Grêmio deve firmar o contrato definitivo com a gestora atual até metade de 2021.  
{'nm_midia_inter_thumb1':'https://www.jornaldocomercio.com/_midias/jpg/2020/03/12/206x137/1_arena_gremio_futebol_jornal_do_comercio-9009226.jpg', 'id_midia_tipo':'2', 'id_tetag_galer':'', 'id_midia':'5e6a69beec0e5', 'cd_midia':9009226, 'ds_midia_link': 'https://www.jornaldocomercio.com/_midias/jpg/2020/03/12/arena_gremio_futebol_jornal_do_comercio-9009226.jpg', 'ds_midia': 'Com a Arena e o Beira-Rio fechados, clubes têm queda brusca de receitas e buscam acordo com atletas', 'ds_midia_credi': 'PATRICIA COMUNELLO/ESPECIAL/JC', 'ds_midia_titlo': 'Com a Arena e o Beira-Rio fechados, clubes têm queda brusca de receitas e buscam acordo com atletas', 'cd_tetag': '1', 'cd_midia_w': '800', 'cd_midia_h': '600', 'align': 'Left'}
Tricolor tem planos para o estádio, associados ao fluxo de torcedores, que estão sem ver jogos desde março . Foto: Patrícia Comunello/Especial/JC 
Tudo dependia de desatar o nó das obras do entorno. Com o acerto, a intenção é que valores que o Grêmio já paga à Arena anualmente sejam usados para custear as obrigações das compensações. Estes valores servirão de "garantia" para a execução das intervenções, condição que fez parte da tratativa com as autoridades. 
Bolzan Jr havia explicado em 2019 que o dinheiro seria direcionado a um fundo em separado para assegurar que seu destino seja as melhorias na região.
O Grêmio paga R$ 1,8 milhão por ano pelo uso de áreas para sua administração e ainda pelas cadeiras de sócios, além de parcelas pelo ativo que terá a gestão transferida.  
Em 2019, Bolzan Junior disse que, caso fosse aceita a operação de garantia, o Grêmio assumiria a gestora. O plano é ter um braço do clube que se dedique às operações do estádio, em busca de novos potenciais de renda e retorno.
O acerto geral também envolverá outras pendências financeiras da OAS com bancos, ainda por financiamentos para as obras do estádio. Essa engenharia financeira é que será ainda oficializada.
Na pandemia, o Grêmio manteve o fluxo de pagamentos. Pela incerteza de quando os torcedores voltarão a assistir presencialmente os jogos, o ano de 2021 servirá para arrematar todas as pontas do futuro da administração e exploração do estádio.        

Impasse das obras foi à Justiça em 2017

O MP-RS judicializou a pendência das obras em 2017 e até agora OAS/karagounis não haviam dado as garantias da execução. A lista de compensações, após a revisão, custaria R$ 41 milhões. O valor já foi superior a R$ 100 milhões e mudou porque o complexo original com centro de eventos não será mais feito.
O impasse se prolongou em 2019 porque a Caixa, que tem 80% da Karagounis (outros 20% são da OAS), não quis chancelar a colocação das sete torres residenciais erguidas ao lado do estádio como garantia das obras. 
{'nm_midia_inter_thumb1':'https://www.jornaldocomercio.com/_midias/jpg/2019/10/14/206x137/1_nc141019_arena086-8871340.jpg', 'id_midia_tipo':'2', 'id_tetag_galer':'', 'id_midia':'5da4e4abb1eaf', 'cd_midia':8871340, 'ds_midia_link': 'https://www.jornaldocomercio.com/_midias/jpg/2019/10/14/nc141019_arena086-8871340.jpg', 'ds_midia': 'Foto dos prédios vizinhos da Arena, que estão desocupados.', 'ds_midia_credi': 'NÍCOLAS CHIDEM/JC', 'ds_midia_titlo': 'Foto dos prédios vizinhos da Arena, que estão desocupados.', 'cd_tetag': '1', 'cd_midia_w': '800', 'cd_midia_h': '533', 'align': 'Left'}
Cinco das sete torres residenciais ao lado da Arena estão sem Habite-se devido ao impasse nas obras. Foto: Nícolas Chidem/Arquivo/JC 
Detalhe: a Justiça também impediu que a prefeitura emitisse cinco dos sete habite-se para os espigões já erguidos na vizinhança da Arena. Quem comprou unidades não pode se mudar, com isso recursos de financiamentos da compra não podem ser liberados para os construtores. A expectativa é que a incorporadora obtenha a liberação dos registros para as torres.
Resolvendo o imbróglio, a Karagounis Participações poderá avançar em outro ingrediente do negócio feito no começo da década com o clube: receber o imóvel do Olímpico, antigo templo tricolor situado no bairro Azenha e que tem ainda como proprietário o Grêmio. O Tricolor não transferiu o patrimônio, como parte para integralizar a gestão, justamente pela pendência do entorno.
A OAS/Karagounis pretendia erguer conjuntos imobiliários na Azenha. Caso não siga o plano original, pode vender a área, uma porção em uma região valorizada e que será impactada pelos investimentos, a outro empreendedor. 
Comentários CORRIGIR TEXTO