Porto Alegre, segunda-feira, 23 de novembro de 2020.

Jornal do Comércio

Porto Alegre,
segunda-feira, 23 de novembro de 2020.
Corrigir texto

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Violência

- Publicada em 21h16min, 22/11/2020.

Hamilton protesta contra assassinato no Carrefour em Porto Alegre: 'Outra vida negra perdida'

Piloto inglês disse que ficou devastado com a notícia da morte do brasileiro

Piloto inglês disse que ficou devastado com a notícia da morte do brasileiro


Kenan Asyali/AFP/JC
O piloto britânico Lewis Hamilton, da Mercedes, usou suas redes sociais no sábado para se manifestar sobre a morte de João Alberto Silveira Freitas, assassinado por dois seguranças em um supermercado Carrefour, em Porto Alegre. O heptacampeão mundial de Fórmula 1 postou stories com uma foto de um dos protestos e dizeres sobre o ocorrido.
O piloto britânico Lewis Hamilton, da Mercedes, usou suas redes sociais no sábado para se manifestar sobre a morte de João Alberto Silveira Freitas, assassinado por dois seguranças em um supermercado Carrefour, em Porto Alegre. O heptacampeão mundial de Fórmula 1 postou stories com uma foto de um dos protestos e dizeres sobre o ocorrido.
"Devastado por ouvir essa notícia. Outra vida negra perdida. Isso continua acontecendo e vamos lutar para que acabe. Enviando todos os meus pensamento e orações para o Brasil. Descanse em paz João Alberto Silveira Freitas", escreveu o piloto em sua conta no Instagram.
Hamilton tem sido voz ativa nos protestos antirracistas "Black Lives Matter" (Vidas Negras Importam). Durante a atual temporada da F-1, por diversas vezes ergueu o punho, expressando sua preocupação com a causa.
No Brasil, clubes e atletas se manifestaram contra o racismo, lamentando o ocorrido. O atacante Richarlison, jogador do Everton, da Inglaterra, e da seleção brasileira, lembrou o homem negro espancado até a morte. "Nem no Dia da Consciência Negra. Aliás, que consciência? Mataram um homem negro espancado na frente das câmeras. Bateram e filmaram. A violência e o ódio perderam de vez o pudor e a vergonha", escreveu.
Comentários CORRIGIR TEXTO