Porto Alegre, sábado, 14 de novembro de 2020.
Dia do Bandeirante.

Jornal do Comércio

Porto Alegre,
sábado, 14 de novembro de 2020.
Corrigir texto

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Campeonato Brasileiro

- Publicada em 19h11min, 14/11/2020. Atualizada em 19h37min, 14/11/2020.

Inter perde para o Santos, desfalcado por 11 casos com Covid-19

Thiago Galhardo, artilheiro com 15 gols, não conseguiu furar bloqueio do time santista

Thiago Galhardo, artilheiro com 15 gols, não conseguiu furar bloqueio do time santista


RICARDO DUARTE/INTER/DIVULGAÇÃO/JC
Apesar de encarar um adversário com 15 baixas, 11 delas devido à Covid-19, o Inter não conseguiu fazer valer a eventual vantagem e obter placar favorável na Vila Belmiro. O Santos, que tentou adiar a partida deste sábado (14), conseguiu vencer por 2 a 0 o time Colorado.
Apesar de encarar um adversário com 15 baixas, 11 delas devido à Covid-19, o Inter não conseguiu fazer valer a eventual vantagem e obter placar favorável na Vila Belmiro. O Santos, que tentou adiar a partida deste sábado (14), conseguiu vencer por 2 a 0 o time Colorado.
A equipe paulista chegou aos 33 pontos e está na briga pela taça. O Inter chegou ao quarto jogo sem triunfo e segue com 36 pontos.
Ivonei e Kaio Jorge, pratas da casa, anotaram os gols santistas, que ainda viram John Victor, Wagner Leonardo e Vinícius Baloeiro não se intimidarem com a chance de titular. Os meninos foram gigantes diante do então líder e seguraram o potente ataque gaúcho.
O Santos chegou à Vila Belmiro desfalcado por 19 integrantes do departamento de futebol, entre eles 11 jogadores e o técnico Cuca. O comandante está internado em São Paulo, mas deixou a UTI. E com Soteldo na seleção venezuelana.
De última hora, também pelo vírus, os santistas acabaram ficando sem Omar Feitosa. O preparador físico dirigiria a equipe. A missão de comandar o remendado time diante do então líder ficou com Marcelo Fernandes. Na modificada escalação, John Vitor fez sua estreia. Iniciou o ano como quarto goleiro e estreou logo diante do líder da competição.
Pelo colorado, os meio-campistas Nonato e Patrick foram diagnosticados com a Covid-19 também. E Heitor estava suspenso. Rodrigo Dourado ganhou a primeira chance como titular desde que se recuperou de grave lesão e Maurício fez sua estreia na armação. Mais inteiros, os gaúchos queriam findar o jejum de três jogos sem vitórias.
Em um jogo com times bem mexidos, os olhos estavam nos artilheiros Thiago Galhardo, do Inter, com 15 gols, e no santista Marinho, dono de 12 bolas nas redes adversárias.
O primeiro tempo de ambos, contudo, foi desanimador. Quase nenhuma grande jogada ou lance de perigo. Uma ajeitada de cabeça do colorado e uma cobrança de falta raspando do santista e só. Com seus astros apagados, Santos e Inter pouco fizeram em 45 minutos. O esperado "jogão" foi para o intervalo parecendo mais uma pelada.
Pior para os gaúchos que perderam o coringa Edenilson. O volante, que chega como surpresa no ataque por vezes, machucou com somente quatro minutos. Dividiu com Felipe Jonatan e acabou lesionando o joelho.
A dúvida era: os treinadores conseguiriam dar injeção de ânimo em seus atletas nos vestiários e modificar o rumo da partida? Ou veríamos mais 45 minutos sonolentos? Optaram por apostar nas mesmas escalações.
Mas os jogadores voltaram mais dispostos e correndo mais. Enfim, surgiu a primeira grande chance. Abel Hernández chutou no peito de um arrojado John Victor. O jovem goleiro salvaria logo a seguir uma bela cabeçada de Galhardo.
O Inter voltou melhor e sufocando. Virou ataque contra defesa. O Santos apenas se livrava da bola, sem saber o que fazer. Na primeira jogada com calma, chegou ao gol.
Falta boba de Rodinei na lateral. Ivonei bateu a meia altura, ninguém desviou no caminho e ela enganou Marcelo Lomba. Quando era totalmente dominado, os mandantes conseguiram a vantagem no placar.
John Victor defendeu outra boa cabeçada de Thiago Galhardo evitando o empate. Quem não faz... Menos de um minuto depois, o Santos aproveitou o erro de Rodinei, Marinho roubou e partiu em alta velocidade. Seu chute parou nos pés de Lomba, que ainda espalmou a finalização de Arthur Gomes. Kaio Jorge, de cabeça, não desperdiçou o segundo rebote: 2 a 0.
Com a excelente vantagem no placar, bastava se fechar atrás e segurar o resultado. Foi o que os meninos, comandados pelos experientes Pará, Lucas Peres e Marinho fizeram. O Santos está na briga e mostra que tem garotos prontos para substituir os titulares.
Agência Estado
Comentários CORRIGIR TEXTO