Porto Alegre, sexta-feira, 06 de novembro de 2020.

Jornal do Comércio

Porto Alegre,
sexta-feira, 06 de novembro de 2020.
Corrigir texto

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Futebol Argentino

- Publicada em 13h38min, 06/11/2020. Atualizada em 16h23min, 06/11/2020.

Maradona precisou ser sedado para não abandonar hospital, diz médico

Médico afirmou que Maradona não terá alta nesta sexta por conta de um 'tratamento de abstinência'

Médico afirmou que Maradona não terá alta nesta sexta por conta de um 'tratamento de abstinência'


SERGEI GAPON/AFP/JC
Médico pessoal de Diego Maradona, o neurocirurgião Leopoldo Luque afirmou nesta sexta-feira (6) que o ídolo argentino precisou ser sedado para não abandonar o hospital antes da hora. Sem dar maiores detalhes sobre a condição clínica do ex-jogador, o médico afirmou que Maradona não terá alta nesta sexta por conta de um "tratamento de abstinência".
Médico pessoal de Diego Maradona, o neurocirurgião Leopoldo Luque afirmou nesta sexta-feira (6) que o ídolo argentino precisou ser sedado para não abandonar o hospital antes da hora. Sem dar maiores detalhes sobre a condição clínica do ex-jogador, o médico afirmou que Maradona não terá alta nesta sexta por conta de um "tratamento de abstinência".
Na quinta, Luque havia informado que Maradona apresentava boa evolução após ser submetido a uma cirurgia no cérebro, devido a um hematoma, na noite de terça. Havia a possibilidade de alta nesta, o que foi descartado pelo neurocirurgião. "Ele quer ir embora, mas vai ficar. Esta é uma das poucas vezes em que Diego ouviu um 'não' em sua vida", declarou.
O médico pessoal de Maradona também disse que o ídolo precisou ser "sedado para ajudá-lo a conter o desejo de deixar o local". "Ele me criticou e criticou os demais médicos. O que todos querem sempre é dar a melhor atenção a ele. Mas Diego é muito difícil, muito difícil. Estamos tentando ser mais fortes que ele", declarou.
Luque afirmou que o ex-jogador foi sedado para "acalmar" seu processo de abstinência, embora não tenha dado detalhes sobre os motivos da abstinência. Em junho, o médico afirmou em um programa de TV que Maradona tomava "alguns ansiolíticos há bastante tempo".
"São tratamentos que nós mantivemos porque alguns medicamentos não podem ser retirados assim do nada. O corpo desenvolve tolerância e retirá-los de forma drástica pode causar reações que comprometem a vida", declarou o médico, na ocasião. Nesta sexta, ele disse que Maradona chegou a enfrentar "episódios de confusão" devido à abstinência.
Com 60 anos completados na última sexta-feira, Maradona foi internado na Clínica Ipensa, de La Plata, na última segunda-feira após se sentir mal e foi transferido para a Clínica Olivos.
Entre os possíveis fatores de risco para essa lesão estão a idade e o abuso de álcool. Na semana passada, Maradona mal comemorou o seu 60º aniversário porque já apresentava uma saúde debilitada.
Atual treinador do Gimnasia La Plata, o ex-jogador comia pouco, aparentava fraqueza e pouco participou da partida realizada também na sexta-feira entre o Gimnasia e o Patronato, pela Copa da Liga Profissional da Argentina. Maradona esteve presente somente nos 18 primeiros minutos e depois deixou o estádio.
Agência Estado
Comentários CORRIGIR TEXTO