Porto Alegre, domingo, 11 de outubro de 2020.
Dia Internacional do Combate à Obesidade.

Jornal do Comércio

Porto Alegre,
domingo, 11 de outubro de 2020.
Corrigir texto

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Campeonato Brasileiro

- Publicada em 18h21min, 11/10/2020. Atualizada em 18h55min, 11/10/2020.

Com gols de pênalti, Santos vence o Grêmio por 2 x 1 na Vila Belmiro

Na Vila Belmiro, Grêmio acaba superado pelo Santos por 2 a 1

Na Vila Belmiro, Grêmio acaba superado pelo Santos por 2 a 1


LUCAS UEBEL/GRÊMIO FBPA/DIVULGAÇÃO/JC
O Grêmio entrou em campo na Vila Belmiro neste domingo (11), para enfrentar o Santos, em jogo válido pela 15ª rodada do Campeonato Brasileiro. O Tricolor, no entanto, não conseguiu pontuar, ao ser superado pela equipe da casa por 2 a 1. Os gols foram marcados por Marinho, para o Peixe, e Diego Souza, para os gremistas.
O Grêmio entrou em campo na Vila Belmiro neste domingo (11), para enfrentar o Santos, em jogo válido pela 15ª rodada do Campeonato Brasileiro. O Tricolor, no entanto, não conseguiu pontuar, ao ser superado pela equipe da casa por 2 a 1. Os gols foram marcados por Marinho, para o Peixe, e Diego Souza, para os gremistas.
Eleito o melhor jogador do torneio em setembro, Marinho estava recuperado de incômodo na coxa que o deixou de fora do clássico contra o Corinthians e criou as principais jogadas do time da casa. Ele marcou, de pênalti, os dois gols da vitória e chegou aos dez gols, na vice-artilharia do torneio, atrás apenas de Thiago Galhardo, do Internacional.
O Santos foi superior ao Grêmi em quase todo o jogo, mas correu riscos pelas chances desperdiçadas no primeiro tempo e por ter diminuído o ritmo na etapa final diante de um Grêmio cheio de desfalques e que fugiu ao seu estilo de posse de bola e controle do meio-campo. Ainda assim, o time paulista ampliou a sua invencibilidade para 12 jogos, a maior entre os clubes da Série A, e ainda pôs fim a uma série de três empates no seu estádio.
Os times voltarão a jogar na quarta-feira (14), ambos em casa, com o Santos recebendo o Atlético-GO, enquanto o Grêmio enfrentará o Botafogo, em busca da reabilitação e de melhorar uma campanha em que soma apenas 17 pontos, na zona intermediária da classificação.
O Grêmio entrou em campo cheio de desfalques: Matheus Henrique, Jean Pyerre, Alisson, Geromel e Kannemann estavam indisponíveis, mas com Vanderlei, pela primeira vez de volta à Vila Belmiro como adversário desde a sua saída, no gol. No Santos, mesmo sem treinar a semana toda, Marinho foi escalado por Cuca no ataque, fazendo o seu retorno ao time, assim como Lucas Veríssimo, também recuperado de lesão, e Arthur Gomes, livre de suspensão. 
As ausências e retornos foram determinantes para o que aconteceu no primeiro tempo na Vila. Com o meio-campo e a defesa desfigurados, o Grêmio não conseguiu reter a posse de bola, exibiu insegurança defensiva e só foi aparecer no campo de ataque em lances esporádicos e depois dos 30 minutos, em um cabeceio de Diego Souza e em chute de longe de Pepê.
E o Santos aproveitou. Se posicionou no campo de ataque, contou com bons passes de Jobson na criação das jogadas e a participação constante e decisiva de Marinho, aproveitando a liberdade dada por Cuca, sem uma posição fixa no ataque. Foi dele, afinal, o gol que abriu o placar, com uma cavadinha, aos 19 minutos, em pênalti assinalado após toque com o braço na bola de Paulo Miranda.
A atuação ruim do Grêmio na etapa final indicava um cenário parecido no segundo tempo. Só que o Santos diminuiu o ritmo, com exceção de Marinho, que acertou a trave logo nos primeiros minutos. Assim, o time de Renato Portaluppi se manteve vivo no jogo. O primeiro aviso veio em um lance confuso com Cortez, que parou em João Paulo. E o gol de empate saiu aos 27, após belo passe de Pepê para Diego Souza finalizar da entrada da área: 1 a 1.
Mas no pior momento do Santos no jogo, Marinho apareceu de novo. Sofreu pênalti de David Braz, assinalado após consulta ao VAR, e o converteu, aos 34, garantindo o triunfo. E ainda poderia ter saído mais, pois por duas vezes ele colocou companheiros em boas condições de finalizar - Madson e Lucas Veríssimo -, mas parando em Vanderlei.
Como o gol não saiu, o Santos quase foi vazado no fim, não fosse uma difícil defesa de João Paulo em tentativa de Maicon. Um sinal claro de que faltou juízo ao time neste domingo. Mas não o talento de Marinho, que ainda cavou a expulsão de David Braz nos acréscimos. Informações do Estadão Conteúdo.
Santos 2 x 1 Grêmio
João Paulo; Pará, Lucas Veríssimo, Luan Peres e Felipe Jonatan (Laércio); Jobson, Diego Pituca e Jean Mota (Madson); Marinho, Kaio Jorge (Lucas Lourenço) e Arthur Gomes. Técnico: Cuca.
Vanderlei, Orejuela, Paulo Miranda (Rodrigues), David Braz e Cortez (Diogo Barbosa); Lucas Silva (Maicon), Thaciano, Luiz Fernando e Robinho (Isaque); Pepê e Diego Souza (Everton). Técnico: Renato Portaluppi.
Árbitro: Leandro Bizzio Marinho (SP)
Comentários CORRIGIR TEXTO