Porto Alegre, sábado, 19 de setembro de 2020.

Jornal do Comércio

Porto Alegre,
sábado, 19 de setembro de 2020.
Corrigir texto

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Campeonato Brasileiro

- Publicada em 21h25min, 19/09/2020. Atualizada em 21h47min, 19/09/2020.

Com a cabeça no Grenal, Inter perde segunda seguida no Brasileirão

Boschilia (com a bola) e D'Alessandro entraram no 2º tempo, mas não foi possível reverter o placar

Boschilia (com a bola) e D'Alessandro entraram no 2º tempo, mas não foi possível reverter o placar


Inter/RICARDO DUARTE/INTER/DIVULGAÇÃO/JC
O Inter não é o mesmo sem seu goleador Thiago Galhardo. Dois jogos poupando o artilheiro, duas derrotas seguidas no Campeonato Brasileiro. Com a cabeça no clássico diante do Grêmio, nesta quarta-feira (23), pela Copa Libertadores, desta vez foi superado pelo Fortaleza por 1 a 0, mesmo placar sofrido diante do Goiás há uma semana, na Arena Castelão, em Fortaleza, pela 11ª rodada.
O Inter não é o mesmo sem seu goleador Thiago Galhardo. Dois jogos poupando o artilheiro, duas derrotas seguidas no Campeonato Brasileiro. Com a cabeça no clássico diante do Grêmio, nesta quarta-feira (23), pela Copa Libertadores, desta vez foi superado pelo Fortaleza por 1 a 0, mesmo placar sofrido diante do Goiás há uma semana, na Arena Castelão, em Fortaleza, pela 11ª rodada.
Os gaúchos, após início arrasador, mostram que o desgaste atrapalha. E que faltam peças de reposição à altura dos titulares também. Vale frisar que o centroavante peruano Guerrero, machucado, só volta daqui seis meses. E Thiago Galhardo vem quebrando o galho na frente.
O uruguaio Abel Hernández e o argentino Leandro Fernández ainda se adaptam ao futebol brasileiro. E o time comandado pelo técnico Eduardo Coudet carece de mais um armador, sobretudo após a lesão de Patrick. O Internacional estaciona nos 20 pontos e dá esperança para quem vem atrás.
O regular Fortaleza de Rogério Ceni sobe para 15 pontos, sonhando com o G4 e bem distante da zona de perigo. O técnico não esconde que a primeira missão ainda é a permanência na elite nacional.
Ciente que o Grenal pela Libertadores pode definir não apenas a classificação antecipada às oitavas de final, como a eliminação do rival, Eduardo Coudet poupou algumas peças importantes na Arena Castelão: o artilheiro Thiago Galhardo e os meias Boschilia e D'Alessandro, que entraram só no segundo tempo. O zagueiro Victor Cuesta cumpriu suspensão.
Peça vital no meio de campo gaúcho, Patrick tinha a missão de servir o reformulado ataque com o jovem Léo Ferreira e Leandro Fernández. Mas a sorte não estava a seu lado. Com somente 29 minutos, o jogador acabou substituído com dores musculares na coxa direita. Preocupação enorme para o clássico do meio de semana. Até ali, o Internacional já havia assustado com chute rasteiro de Fernández para fora.
Do lado cearense, a melhor chance da fraca primeira etapa surgiu em cabeçada de Marlon, livre, longe do alvo. As estratégias dos técnicos pareciam mais preocupadas em não perder do que em buscar o triunfo.
D'Alessandro, que só seria usado em caso de necessidade, acabou entrando no intervalo por mais um problema físico. Johnny saiu com lesão muscular na coxa esquerda. O Internacional voltava a ter um armador.
O segundo tempo começou com polêmica. Após um cruzamento, Musto cai após toque sem querer de Paulão na área. Pênalti? Após reclamação de ambos os lados e muita demora com o VAR, o árbitro optou em não marcar nada após quatro minutos de checagem.
O Internacional teve a chance de abrir o placar com forte chute de Fernández. A bola passou raspando. Não fez o gol e viu uma infelicidade de Nonato custar caro. O volante tentou afastar um cruzamento na área e serviu Felipe. O jogador do Fortaleza acertou um belo chute e fez o gol que seria decisivo. Os cearenses souberam segurar os gaúchos e festejaram muito a importante vitória.
Festa de um lado, irritação do outro. Os jogadores do Internacional reclamaram muito da arbitragem após o apito final, cobrando a marcação de dois pênaltis não marcados.
Agência Estado
Comentários CORRIGIR TEXTO