Porto Alegre, segunda-feira, 14 de setembro de 2020.
Aniversário da cidade de Viamão.

Jornal do Comércio

Porto Alegre,
segunda-feira, 14 de setembro de 2020.
Corrigir texto

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Futebol Francês

- Publicada em 23h27min, 14/09/2020.

Neymar pede punição e fala em pacificar protestos contra racismo

Nesta segunda-feira (14), o PSG emitiu nota apoiando a postura do brasileiro

Nesta segunda-feira (14), o PSG emitiu nota apoiando a postura do brasileiro


FRANCK FIFE/AFP/JC
Em texto publicado em sua conta no Instagram nesta segunda-feira (14), Neymar diz que aceitará a punição que poderá receber por ter reagido com um tapa às ofensas do zagueiro espanhol Álvaro Gonzalez, mas que espera que o rival também seja punido.
Em texto publicado em sua conta no Instagram nesta segunda-feira (14), Neymar diz que aceitará a punição que poderá receber por ter reagido com um tapa às ofensas do zagueiro espanhol Álvaro Gonzalez, mas que espera que o rival também seja punido.
O atacante do Paris Saint-Germain foi expulso no domingo (13), em partida contra o Olympique de Marselha pelo Campeonato Francês, por dar um tapa na cabeça de Gonzalez. Ele afirma que antes disso o espanhol o chamou de "mono hijo de puta" (macaco filho da puta). O zagueiro nega a ofensa racista.
"Preconceito e intolerância são inaceitáveis. Eu sou negro. Filho de negro. Neto e bisneto de negro. Tenho orgulho e não me vejo diferente de ninguém. Ontem (domingo) eu queria que os responsáveis pelo jogo (árbitro, auxiliares) se posicionassem de modo imparcial e entendessem que não cabe tal atitude preconceituosa", escreveu Neymar.
"Deveria ter ignorado? Não sei ainda... Hoje com a cabeça fria respondo que sim, mas oportunamente eu e meus companheiros pedimos ajuda aos árbitros e fomos ignorados. Esse é o ponto!", completou.
No fim do texto, o atacante brasileiro também pediu a pacificação dos protestos contra o racismo ao redor do mundo, sem detalhar esse ponto. "Estar no centro dessa situação ou ignorar um ato racista não vai ajudar, eu sei. Mas pacificar esse movimento 'antirracismo' é obrigação nossa para que o menos privilegiado receba naturalmente sua defesa."
O PSG emitiu nesta segunda-feira uma nota de apoio ao brasileiro. "O Paris Saint-Germain apoia fortemente Neymar, que relatou ter sido vítima de insultos racistas de um jogador rival (...) O Paris Saint-Germain conta com a comissão disciplinar da LFP (liga de futebol profissional francesa) para investigar e lançar luz sobre esses eventos", diz o comunicado. Leonardo, diretor do PSG, afirmou que espera um julgamento do caso e reforçou que há registros das ofensas do defensor do time visitante.
Durante o jogo, antes mesmo da agressão, Neymar havia avisado ao árbitro sobre a possível ofensa de Gonzalez e esbravejou: "racismo, não!"
O clube de Marselha venceu por 1 a 0, em partida com cinco expulsões. Além de Neymar, Kurzawa e Paredes receberam cartão vermelho pelo PSG. Benedetto e Amavi tiveram a mesma punição pelo Olympique.
Em casos de racismo, se comprovado, o jogador pode ser suspenso por até 10 partidas. Pelo tapa, o gancho de Neymar pode chegar a sete partidas. O assunto será analisado por uma comissão independente da LFP, e a decisão poderá ser anunciada nesta quarta-feira (16), mesmo dia em que o PSG volta a campo para enfrentar o Metz, pela liga nacional.
Comentários CORRIGIR TEXTO