Porto Alegre, segunda-feira, 03 de agosto de 2020.

Jornal do Comércio

Porto Alegre,
segunda-feira, 03 de agosto de 2020.
Corrigir texto

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Esportes Radicais

- Publicada em 19h42min, 03/08/2020. Atualizada em 20h03min, 03/08/2020.

Com maior pista da América Latina, Porto Alegre quer virar polo nacional do skate

Com investimento de R$ 2,4 milhões, obra está 40% concluída

Com investimento de R$ 2,4 milhões, obra está 40% concluída


JOYCE ROCHA/JC
Juliano Tatsch
Porto Alegre está carente de grandes eventos esportivos que não sejam partidas de futebol. A razão para isso é a ausência de estruturas adequadas e modernas para a realização de competições. Este cenário, porém, deverá mudar em breve. A Capital deverá contar ainda neste ano com um espaço novo, projetado e construído para ser a maior pista de skate da América Latina. A expectativa é de que, com a estrutura, que está sendo construída junto ao lago Guaíba, dentro do trecho 3 de revitalização da orla, a cidade se torne um polo nacional e continental do esporte.
Porto Alegre está carente de grandes eventos esportivos que não sejam partidas de futebol. A razão para isso é a ausência de estruturas adequadas e modernas para a realização de competições. Este cenário, porém, deverá mudar em breve. A Capital deverá contar ainda neste ano com um espaço novo, projetado e construído para ser a maior pista de skate da América Latina. A expectativa é de que, com a estrutura, que está sendo construída junto ao lago Guaíba, dentro do trecho 3 de revitalização da orla, a cidade se torne um polo nacional e continental do esporte.
A obra da pista tem consultoria, acompanhamento técnico e execução da Confluência, uma parceria entre a Spot e a Rio Ramp Design, duas organizações do ramo. Conforme o projeto executivo, a área real de obra abrange 6.268 m² e a pista receberá 940,20m³ de concreto e 19,50 toneladas de aço. O investimento na construção do espaço é de R$ 2.452.181,29.
De acordo com o secretário municipal de Infraestrutura e Mobilidade Urbana, Marcelo Gazen, a estrutura da pista está com 40% das obras concluídas. A expectativa é de que o prazo inicial de conclusão seja mantido, e até o final de outubro o espaço esteja pronto e liberado para utilização. "Mesmo diante das questões da pandemia, a obra não parou. Partes do trecho 3 da orla estão quase prontas, como o estacionamento. Tivemos algumas baixas de rendimento em função da pandemia, pois o mercado da construção civil esteve paralisado por um momento e, como a cadeia produtiva das obras públicas é a mesma, tivemos alguns problemas de insumos e pessoal. Mas tudo está dentro do cronograma", afirma Gazen.
O presidente da Federação Gaúcha de Skate (FGSKT), Régis Lannig, salienta que a nova pista da orla é a concretização de uma demanda de 10 anos dos skatistas porto-alegrenses. "A demanda surgiu em 2010. A Federação obteve um recurso de uma emenda federal para a construção de uma nova pista no Parque Marinha do Brasil. No entanto, houve uma série de burocracias, a gestão anterior da prefeitura não parecia estar muito disposta politicamente e acabou não saindo", afirma.
A luta dos esportistas pelo espaço, porém, não parou e, em 2015, eles conseguiram incluir a nova pista em um dos trechos do projeto da nova orla do Guaíba. "O tempo passou, a administração da prefeitura mudou e não se falou mais nisso, a prefeitura não nos comunicou mais nada. Para nossa surpresa e alegria, a atual administração resolveu retomar o projeto com a previsão da pista de skate", destaca Lannig.
As duas empresas responsáveis pela consultoria e acompanhamento técnico foram novamente chamadas para readequar o desenho do complexo, na medida em que, por ser um esporte orgânico, originário das ruas, o skate é muito dinâmico, com o surgimento de novas modalidades, por exemplo. "Dentro de cinco anos, o esporte muda, e um projeto já pode estar defasado. Nesse meio tempo, aconteceu muita coisa, o skate entrou para as Olimpíadas, se popularizou a modalidade park, que é muito nova. O projeto inicial não previa pista de park, por exemplo. Essa foi uma das grandes readequações", cita o presidente da FGSKT.
{'nm_midia_inter_thumb1':'https://www.jornaldocomercio.com/_midias/jpg/2020/08/03/206x137/1_lp_030820___pista_skate__20_-9107303.jpg', 'id_midia_tipo':'2', 'id_tetag_galer':'', 'id_midia':'5f284061481ef', 'cd_midia':9107303, 'ds_midia_link': 'https://www.jornaldocomercio.com/_midias/jpg/2020/08/03/lp_030820___pista_skate__20_-9107303.jpg', 'ds_midia': 'Fotos das obras da futura maior pista de skate da América Latina, na revitalização da orla do Guaíba.', 'ds_midia_credi': 'LUIZA PRADO/JC', 'ds_midia_titlo': 'Fotos das obras da futura maior pista de skate da América Latina, na revitalização da orla do Guaíba.', 'cd_tetag': '1', 'cd_midia_w': '800', 'cd_midia_h': '533', 'align': 'Left'}
Espaço contará com os "picos de rua', elementos que se tornaram pontos do esporte na cidade (Foto de Joyce Rocha/JC)
O complexo terá elementos simbólicos do cenário urbano da Capital, os chamados "picos de rua", lugares que se tornaram famosos na cidade por receberem a prática do skate, mesmo não tendo sido criados para isso. "A empresa executora observou o que atrai os praticantes da Capital e trouxe para o projeto três equipamentos simbólicos: o corrimão da Câmara Municipal, a ponte ondulada da Praça Itália e os bancos do calçadão de Ipanema, na Zona Sul, com uma releitura desses espaços", aponta Gazen. Também serão utilizados equipamentos como hidrantes e tampas de bueiro elevadas, além de elementos como âncora, atracadouro e correntes de ferro, em alusão à atividade portuária da cidade.
Lannig destaca que a pista atende com louvor às expectativas dos skatistas porto-alegrenses. Segundo ele, apesar de ser uma das capitais mais importantes dentro da cena do skate brasileiro junto com São Paulo, a cidade estava ficando para trás em relação à estrutura pública para a prática da modalidade. "Em nível de atletas, com certeza Porto Alegre, se não é a principal, é uma das principais. Temos alguns skatistas, não só de Porto Alegre, mas do Rio Grande do Sul, fazendo parte da seleção brasileira de skate, outros figurando nos principais eventos do mundo. Porto Alegre estava precisando. Estávamos ficando para trás. Mesmo tendo alguns dos melhores skatistas, podemos dizer do mundo, na questão de equipamento público estávamos muito defasados. O último grande investimento foi na Praça Arnaldo Ballvé, no IAPI, e lá se vão quase 20 anos", diz.

"O skate transcende o universo esportivo", diz o presidente da FGSKT

O skate, como o futebol, é um esporte popular, que surgiu nas ruas e nas ruas é praticado. Assim, se faz necessária a criação de espaços públicos adequados para sua prática. "O skate é um esporte que transcende o universo esportivo. Não começou com a pretensão de ser um esporte. Ele é um elemento da cultura underground, caminha junto com o rap, com o punk. Hoje é um esporte muito completo, muito técnico, mas nós não o enxergamos dessa forma", enfatiza Lannig.

Atualmente, os calendários de competições em todo o mundo estão suspensos em razão da pandemia do novo coronavírus. A ideia da FGSKT é, no final do ano, trazer para Porto Alegre uma etapa de grande porte do circuito brasileiro de skate se as condições permitirem. Na sequência, o objetivo é tornar a Capital uma sede recorrente de grandes eventos. "Isso deve ocorrer naturalmente. O Rio Grande do Sul já recebe uma etapa do circuito brasileiro profissional, o STU Open, que é o circuito que forma a seleção brasileira. Já recebemos esse evento em 2018 e 2019 em Sapiranga, e a tendência é de que, se tudo der certo, esse evento ocorra aqui em Porto Alegre em dezembro desse ano", observa o presidente da entidade.

O atual campeão brasileiro da modalidade street é o gaúcho João Lucas, conhecido como "Xuxu", que obteve o feito ainda como skatista amador. Para Lannig, a conquista é a prova da qualidade dos atletas gaúchos. "Se sem essa estrutura conseguimos produzir tantos bons skatistas no cenário brasileiro e mundial, imagina a partir de agora com uma estrutura dessa em Porto Alegre. É inevitável que surjam novos grandes skatistas. Mas esse não é o nosso objetivo, que é, cada vez mais, democratizar a prática do skate", conclui.

O trecho 3 da orla

  • A revitalização do trecho 3 da orla está próxima dos 30% de conclusão. A área está localizada em 15 hectares entre a foz do Arroio Dilúvio e o clube Parque Gigante.
  • A revitalização contará com ciclovia, arborização, iluminação em led, três bares, 27 quadras esportivas e estruturas de apoio para prática de esportes.
  • Ao custo de R$ 46.171.731,77 e executada pelo consórcio ACA/RGS, os recursos das obras são provenientes do Banco de Desenvolvimento da América Latina (CAF), do Fundo Municipal de Iluminação Pública e do Departamento Municipal de Água e Esgotos (Dmae).
Comentários CORRIGIR TEXTO