Porto Alegre, sábado, 18 de julho de 2020.

Jornal do Comércio

Porto Alegre,
sábado, 18 de julho de 2020.
Corrigir texto

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

futebol

- Publicada em 08h27min, 13/07/2020. Alterada em 14h23min, 13/07/2020.

CAS anula suspensão da Uefa e Manchester City poderá disputar a Liga dos Campeões

Vitória por 5 a 0 no último sábado já havia garantido matematicamente o time na próxima Champions

Vitória por 5 a 0 no último sábado já havia garantido matematicamente o time na próxima Champions


CATHERINE IVILL/POOL/AFP/JC
O Manchester City conseguiu nesta segunda-feira (13) uma grande vitória nos tribunais. A Corte Arbitral do Esporte (CAS, na sigla em inglês), principal jurisdição do mundo esportivo, decidiu anular, após o julgamento da apelação feita pelo clube inglês, a punição de dois anos sem participação em competições europeias dada pela Uefa por não cumprir o Fair-Play Financeiro. Assim, o time comandado pelo técnico espanhol Pep Guardiola confirma a vaga na próxima edição da Liga dos Campeões da Europa garantida em campo no último sábado.
O Manchester City conseguiu nesta segunda-feira (13) uma grande vitória nos tribunais. A Corte Arbitral do Esporte (CAS, na sigla em inglês), principal jurisdição do mundo esportivo, decidiu anular, após o julgamento da apelação feita pelo clube inglês, a punição de dois anos sem participação em competições europeias dada pela Uefa por não cumprir o Fair-Play Financeiro. Assim, o time comandado pelo técnico espanhol Pep Guardiola confirma a vaga na próxima edição da Liga dos Campeões da Europa garantida em campo no último sábado.
"O Manchester City não disfarçou seus contratos de patrocínio, mas falhou em cooperar com a Uefa", afirmou a CAS, cujo painel composto por três juízes aceitou de forma parcial o recurso interposto pelo clube inglês, na decisão divulgada nesta segunda-feira. O tribunal entendeu que a maior parte das acusações foram inconsistentes ou estavam prescritas, aplicando apenas uma multa de 10 milhões de euros (R$ 60,3 milhões) por considerar que o Manchester City não colaborou com as investigações da Uefa.
Em fevereiro, a entidade que comanda o futebol europeu havia anunciado a punição com base na investigação conduzida pelo núcleo de controle financeiro da entidade. A suspensão (maior punição possível) e uma multa de 30 milhões de euros (quase R$ 181 milhões) tinham como base "graves infrações" do clube às regras do Fair-play Financeiro ao supostamente disfarçar como patrocínio parte dos investimentos dos donos do clube entre 2012 e 2016.
O sheikh Mansour bin Zayed al-Nahyan, proprietário do Manchester City, é membro da família real de Abu Dabi, capital dos Emirados Árabes Unidos, país-sede da companhia aérea Etihad, principal patrocinadora do clube inglês. A direção do time, em nota oficial à época da punição da Uefa, disse que as acusações eram "inteiramente falsas". Em um comunicado divulgado imediatamente após a decisão da CAS, o Manchester City "comemora as implicações da decisão de hoje (segunda-feira), que valida sua posição e o conjunto de provas apresentadas".
Desde que o sheikh Mansour comprou o clube há 12 anos, o Manchester City deixou de lado a sua tradicional rivalidade com o Manchester United para virar uma potência na Inglaterra com a conquista de quatro edições do Campeonato Inglês na última década (2012, 2014, 2018 e 2019) e duas da Copa da Inglaterra (2011 e 2019). Mas o ambicioso projeto ainda não conseguiu conquistar o principal objetivo: o título da Liga dos Campeões.
Comentários CORRIGIR TEXTO