Porto Alegre, sábado, 18 de julho de 2020.

Jornal do Comércio

Porto Alegre,
sábado, 18 de julho de 2020.
Corrigir texto

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Inter

- Publicada em 20h35min, 05/07/2020. Alterada em 20h39min, 06/07/2020.

Inter promove ações que envolvem a torcida e os jogadores

De forma espontânea, atletas se associaram em ação com nova camisa

De forma espontânea, atletas se associaram em ação com nova camisa


RICARDO DUARTE/DIVULGAÇÃO/INTER/JC
Deivison Ávila
Próximo de fechar quatro meses sem futebol no Rio Grande do Sul devido à pandemia do coronavírus, o marketing dos clubes nunca esteve tão em evidência. Para o vice-presidente do Inter, Nelson Berny Pires, o momento é marcado pela manutenção e pela aquisição de novos sócios, além da busca de iniciativas que deixem os torcedores mais próximos da equipe.
Próximo de fechar quatro meses sem futebol no Rio Grande do Sul devido à pandemia do coronavírus, o marketing dos clubes nunca esteve tão em evidência. Para o vice-presidente do Inter, Nelson Berny Pires, o momento é marcado pela manutenção e pela aquisição de novos sócios, além da busca de iniciativas que deixem os torcedores mais próximos da equipe.
Surpreendentemente, o Colorado fechou o mês de junho com um acréscimo de 22% em seu quadro social, mas para isso o clube precisou entrar em ação. A direção planejou uma campanha de oito semanas, que teve início em 1 de junho e será concluída em 2 de agosto, com ações a cada sete dias.
Sem venda de ingressos, queda na receita de televisionamento de 30% e menos procura por produtos licenciados, a situação econômica beira o abismo. "Hoje, o Inter tem no sócio a sua principal receita. Em maio, foi identificada uma queda no quadro social, o que gerou preocupação. A gente sabe que o torcedor colorado é muito fiel. Na reforma do Beira-Rio, ficamos um ano sem estádio e o quadro se manteve acima dos 100 mil. Temos um quadro social sólido, mas sabemos que o momento é delicado e era necessário fazer algo", explica Pires.
A ideia inicial era agradecer aos que se mantém em dia em meio à crise. Hoje, entre inadimplentes e associados em dia, são 120 mil. Partindo da paixão do torcedor por colecionar camisas, o Inter pensou em desenvolver uma própria, que marcasse este momento. "Queríamos um produto que jamais fosse vendido. Conversamos com a Adidas, que liberou a fabricação de uma nova camisa, e escolhemos uma empresa do Estado, afim de movimentar a economia local", conta.
O conceito da camisa foi reconstruir o logotipo do clube em formato de coração, e o produto foi ganhando forma. Além disso, a campanha Estaremos Contigo possibilitará que o sócio que se manter em dia pelos próximos seis meses tenha seu nome eternizado em um monumento que será erguido no complexo Beira-Rio, além de receber a camisa.
Outra ação lançada pelo Marketing colorado foi espontânea, lembra Pires. "Os jogadores foram chamados para serem fotografados com a nova camisa e se deram conta da campanha que estava sendo lançada para novos sócios. Então, o Bruno Fuchs perguntou se não seria legal ele se associar. Ele mesmo foi para suas redes sociais divulgar que havia se associado e mostrar a carteirinha. Então, os atletas se mobilizaram, ligaram para o Alessandro Barcelos, nosso vice de futebol, e todos se associaram", conta. "Isso mostra quando time e torcida jogam juntos", ressalta Pires.
O Inter ainda disponibilizou mais associações da "carteira vermelha", que permite que o torcedor vá aos jogos apenas realizando o check-in. A ação precisou ser encerrada em 36 horas, pois o número de pedidos chegou ao limite, já que o clube não pode ter mais do que 20 mil sócios nesta modalidade.
O Marketing já vem trabalhando um plano de negócios para quando a bola voltar a rolar sem público. Pires diz que estão em analise formatos inovadores e outros que clubes já vêm fazendo na Europa. "Estamos buscando retornar para o Beira-Rio, com o sentimento da torcida presente, já que é muito diferente para o atleta jogar em um estádio vazio. Queremos encontrar algo que deixe o estádio mais bonito e, ao mesmo tempo, motive o jogador", conta. "É isso que vai fazer a diferença de se jogar em casa ou no estádio do visitante", conclui.
Amanhã, o entrevistado será Beto Carvalho, executivo de Marketing do Grêmio
Comentários CORRIGIR TEXTO