Porto Alegre, domingo, 19 de julho de 2020.
Nelson Mandela Day.

Jornal do Comércio

Porto Alegre,
domingo, 19 de julho de 2020.
Corrigir texto

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Futebol Gaúcho

- Publicada em 21h33min, 25/06/2020. Alterada em 21h33min, 25/06/2020.

Dupla Bra-Pel aguarda decisão de autoridades para voltar ao trabalho

Quando o Estadual retornar, a primeira partida será entre os rivais

Quando o Estadual retornar, a primeira partida será entre os rivais


/TALES LEAL/AI ECP/JC
Deivison Ávila
Até o final da semana passada, Pelotas era a única cidade com mais de 200 mil habitantes que ainda não tinha registro de mortes pela Covid-19 no País. Entretanto, nos últimos dias, foram registrados dois óbitos. De acordo com o modelo de Distanciamento Controlado adotado pelo governador Eduardo Leite, atualmente, a bandeira do município passou de amarela para laranja, o que ainda permitiria a retomada dos trabalhos coletivos, mesmo que sem contato. Ainda assim, a dupla Bra-Pel não voltou aos treinamentos.
Até o final da semana passada, Pelotas era a única cidade com mais de 200 mil habitantes que ainda não tinha registro de mortes pela Covid-19 no País. Entretanto, nos últimos dias, foram registrados dois óbitos. De acordo com o modelo de Distanciamento Controlado adotado pelo governador Eduardo Leite, atualmente, a bandeira do município passou de amarela para laranja, o que ainda permitiria a retomada dos trabalhos coletivos, mesmo que sem contato. Ainda assim, a dupla Bra-Pel não voltou aos treinamentos.
Quando o Campeonato Gaúcho for retomado, Brasil e Pelotas se enfrentarão pela 4ª rodada do segundo turno. Até lá, as equipes precisam voltar a treinar, o que não ocorre desde a paralisação da competição em março. A partir da decisão de prefeita Paula Mascarenhas de não liberar atividades físicas coletivas na cidade, a permissão para os clubes retomarem os treinos será analisada só a partir do dia 6 de julho.
A cautela é utilizada pelos dois rivais. O diretor de futebol do Pelotas, Luciano Alves, explica que, enquanto o clube não tiver um posicionamento do governo municipal, a direção não tem como avançar muito em qualquer situação de retorno dos atletas. "Estamos parados e continuaremos se prefeitura não liberar as atividades de treinamento", sintetiza.
O Lobão dispensou boa parte do grupo assim que o Gauchão foi paralisado. Hoje, o dirigente conta que o clube tem, mais ou menos, 20 atletas contratados ou com pré-contrato. O técnico Ricardo Colbachini, contratado em meio à pandemia, não estreou, mas vem trabalhando fortemente na análise de mercado e na formação do grupo. Restaram apenas cinco atletas que atuaram na competição antes da parada.
Mesmo sem a data precisa, Alves já tem planejado o retorno dos atletas. "Temos programado uma testagem na localidade de origem dos jogadores e outra na sua chegada", revela. Como a ideia da Federação Gaúcha de Futebol (FGF) é reiniciar o campeonato no dia 19 de julho, os clubes da Zona Sul não terão tempo para preparação. "Para voltarmos a competir, acredito que de 20 a 25 dias serão o suficiente para aprontar o grupo", aponta.
Do lado xavante, o discurso é parecido. O vice-presidente de Futebol, Giovanni Alcântara, avalia como inviável que o Estadual volte sem que as equipes tenham um prazo mínimo de treinamentos. O dirigente não acredita que o jogador de futebol esteja imune ao vírus, mesmo com as testagens e com os protocolos adotados pelos clubes. "Eu vejo com uma certa ressalva essa questão de que o atleta vive em uma bolha e que o futebol esteja desassociado das demais atividades, a não ser que se concentre o jogador, isole o grupo num hotel, e fique testando permanentemente, o que se tornaria impossível economicamente", diz.
Alcântara afirma que o elenco comandado pelo técnico Hemerson Maria precisa de 25 dias de trabalho até a retomada do Gauchão. "Acredito que esse cronograma da FGF com a intenção de recomeçar no dia 19 de julho seja alterado. Caso consigamos retomar os treinos após o dia 6 de julho, poderíamos voltar a jogar no início de agosto", indica. "A partir desta data, vamos começar a mobilizar o grupo, que está espalhado pelo País, fazer a testagem, e, aí sim, liberar o pessoal para os treinos", acrescenta.
Em meio à pandemia, a direção trabalha por uma redução dos salários dos atletas. O dirigente não revelou o valor exato, mas disse que o Sindicato dos Atletas está participando da negociação. Além disso, o Brasil acompanha a decisão da CBF quanto ao início do Brasileirão da Série B. Alcântara diz que os dirigentes dos clubes em disputa seguem em diálogo, mas que a entidade não se manifesta há algum tempo. Ele acredita que antes de setembro é impossível o início da competição.
 
Comentários CORRIGIR TEXTO