Porto Alegre, segunda-feira, 15 de junho de 2020.

Jornal do Comércio

Porto Alegre,
segunda-feira, 15 de junho de 2020.
Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

CORRIGIR

protestos

Alterada em 15/06 às 10h43min

Movimento de atletas exige fim de regra do COI que pune gestos políticos

Folhapress
A posição do COI (Comitê Olímpico Internacional) de proibir que atletas se ajoelhem em apoio a protestos antirracismo é uma violação dos direitos humanos, disse a Global Athlete em uma carta divulgada no domingo (14). Por isso, o movimento de atletas exige o fim da regra que permite punições a manifestações políticas nas Olimpíadas.
A posição do COI (Comitê Olímpico Internacional) de proibir que atletas se ajoelhem em apoio a protestos antirracismo é uma violação dos direitos humanos, disse a Global Athlete em uma carta divulgada no domingo (14). Por isso, o movimento de atletas exige o fim da regra que permite punições a manifestações políticas nas Olimpíadas.
"A recente declaração do COI e do IPC [Comitê Paraolímpico Internacional] de que atletas que se 'ajoelharem' sofrerão proibições é uma violação clara dos direitos humanos", disse a Global Athlete, um movimento internacional liderado por atletas que visa inspirar mudanças em esporte mundial.
A regra 50 da Carta Olímpica declara que "nenhum tipo de demonstração ou propaganda política, religiosa ou racial é permitida em quaisquer locais, locais ou outras áreas olímpicas".
Os atletas que quebram as regras estão sujeitos a penas disciplinares, analisadas caso a caso. O COI emitiu diretrizes em janeiro, esclarecendo que os protestos proibidos incluem o gesto que ganhou notoriedade com o jogador de futebol americano Colin Kaepernick.
Várias organizações esportivas importantes se movimentaram para permitir protestos em seus eventos após a morte no mês passado de George Floyd, um homem negro que foi assassinado em Minneapolis por um policial branco que se ajoelhou em seu pescoço.
O COI disse na semana passada que os atletas irão decidir a melhor forma de apoiar os principais valores olímpicos "de uma maneira digna", a medida que os pedidos para mudar as regulamentações que restringem os protestos nos Jogos Olímpicos aumentam.
"Mais uma vez, os atletas ficaram juntos e sua voz coletiva pressionou o COI a se posicionar e agora consultar os atletas sobre a regra 50", acrescentou a Global Athlete.
"Os atletas dedicam anos de suas vidas para se qualificarem para os Jogos Olímpicos e Paraolímpicos. Se os atletas quiserem se manifestar, respeitando outros direitos e liberdades detalhados na Declaração Universal dos Direitos Humanos, o COI deve adotar suas diversas opiniões", completou.
Para o movimento, o silêncio levou ao abuso. "Por muito tempo os atletas tiveram que escolher entre competir em silêncio ou defender o que é certo. É tempo de mudança. Todo atleta deve ter poderes para usar suas plataformas, gestos e vozes. O silêncio da voz do atleta levou à opressão, o silêncio levou ao abuso e o silêncio levou à discriminação no esporte", diz a carta do Global Athlete .
Comentários