Porto Alegre, terça-feira, 21 de julho de 2020.

Jornal do Comércio

Porto Alegre,
terça-feira, 21 de julho de 2020.
Corrigir texto

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Tóquio 2020

- Publicada em 20h46min, 23/03/2020. Atualizada em 20h46min, 23/03/2020.

Apenas guerras cancelaram edições dos Jogos Olímpicos

Jogos de Londres em 1948 foram os primeiros após a paralisação pela Segunda Guerra

Jogos de Londres em 1948 foram os primeiros após a paralisação pela Segunda Guerra


COI/DIVULGAÇÃO/JC
Os Jogos Olímpicos de Tóquio 2020 não correm risco de cancelamento em razão da pandemia do coronavírus, conforme sinalizam o Comitê Olímpico Internacional (COI) e as autoridades japonesas, que, enfim, passaram a admitir a possibilidade de adiamento. A própria história centenária do evento já poderia ser um indicativo disso, pois nunca houve uma edição cancelada por motivos de saúde pública.
Os Jogos Olímpicos de Tóquio 2020 não correm risco de cancelamento em razão da pandemia do coronavírus, conforme sinalizam o Comitê Olímpico Internacional (COI) e as autoridades japonesas, que, enfim, passaram a admitir a possibilidade de adiamento. A própria história centenária do evento já poderia ser um indicativo disso, pois nunca houve uma edição cancelada por motivos de saúde pública.
Até hoje, em 124 anos de Olimpíadas da Era Moderna, a competição só não aconteceu em três ocasiões: 1916, 1940 e 1944, todas durante as grandes guerras mundiais. A Olimpíada de 1916 aconteceria em Berlim. Dois anos antes, porém, o assassinato do arquiduque Francisco Ferdinando, na Bósnia, não só colocou os Jogos Olímpicos em dúvida como mudou o curso da humanidade. A morte do príncipe herdeiro do Império Austro-Húngaro foi o estopim para o início da Primeira Guerra Mundial.
Pouco tempo antes do atentado contra ele e sua mulher, Sofia, a organização dos Jogos de Berlim havia dado início aos rituais olímpicos prévios à realização do evento. No Deutsches Stadion, construído para a Olimpíada e inaugurado em 1913, 60 mil pessoas assistiram ao espetáculo protagonizado por 10 mil pombos que foram soltos e ganharam o céu da capital alemã.
Mesmo com o início da guerra, as autoridades alemãs, confiando na resolução rápida, mantiveram o cronograma de planejamento do evento, até que os conflitos ganharam a Frente Ocidental.
Com o fim da guerra, em 1918, a Alemanha perdeu o direito de sediar a primeira Olimpíada em tempos de paz, que foi realizada na cidade de Antuérpia, na Bélgica. Também como parte da punição, os alemães foram afastados do programa olímpico até 1925.
Berlim só ganharia o direito de finalmente sediar os Jogos Olímpicos em 1936, evento utilizado pelo governo alemão como plataforma da propaganda nazista para o mundo. A essa altura, o Deutsches Stadion, construído duas décadas antes, já havia sido fechado e dado lugar ao recém-inaugurado Estádio Olímpico de Berlim.
As duas outras Olimpíadas canceladas foram justamente as que aconteceram após Berlim-1936. Tóquio receberia a competição em 1940, enquanto Londres seria a cidade-sede em 1944. Entretanto, as duas cidades foram severamente bombardeadas durante a Segunda Guerra Mundial, que durou de 1939 a 1945 e interrompeu a realização dos Jogos Olímpicos.
Para a primeira competição do pós-guerra, em 1948, em Londres, os organizadores precisaram alojar atletas masculinos em campos da RAF (a força aérea britânica) e as mulheres em escolas da capital inglesa, além de pedir para que os competidores do mundo todo trouxessem as suas próprias toalhas, já que o país passava por um período de racionamento e austeridade em razão da Segunda Guerra.
Nos Jogos de 1948, 59 países participaram. Alemanha e Japão foram proibidos de disputar o evento. Em Londres 2012, 216 nações competiram na Olimpíada.
Comentários CORRIGIR TEXTO