Porto Alegre, quinta-feira, 12 de março de 2020.
Dia do Bibliotecário.

Jornal do Comércio

Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

CORRIGIR

Libertadores da América

Notícia da edição impressa de 12/03/2020. Alterada em 11/03 às 21h00min

Um Grenal para a história

Clássico válido pela segunda rodada do Grupo E do torneio terá Arena lotada

Clássico válido pela segunda rodada do Grupo E do torneio terá Arena lotada


Juliano Bruni/Arte sobre fotos/JC
Deivison Ávila
Foram necessários 424 jogos para que Grêmio e Inter se enfrentassem em uma Libertadores da América. E esse dia chegou. Às 21h desta quinta-feira (12), na Arena, uma das maiores rivalidades do País duela pelo Grupo E do torneio continental. Esta é apenas a 2ª rodada da competição, mas o vencedor pula na frente em busca da primeira colocação da chave.
Foram necessários 424 jogos para que Grêmio e Inter se enfrentassem em uma Libertadores da América. E esse dia chegou. Às 21h desta quinta-feira (12), na Arena, uma das maiores rivalidades do País duela pelo Grupo E do torneio continental. Esta é apenas a 2ª rodada da competição, mas o vencedor pula na frente em busca da primeira colocação da chave.
A dupla Grenal lidera o grupo com três pontos cada, com o Colorado na frente pelo saldo de gols. Na terça-feira, no Chile, a Universidad Católica foi derrotada pelo América de Cali por 2 a 1 e assumiu a terceira colocação, enquanto os chilenos estão na lanterna, sem pontuar.
O Grenal 424 traz consigo algumas marcas importantes. Os donos da casa defendem uma supremacia longa em seus domínios. A última vez que o Tricolor perdeu foi em 2014, de virada, por 2 a 1, pelo Estadual. Desde então, o Grêmio venceu cinco vezes e empatou outras seis. Outro dado curioso é que o Inter não balança as redes na Arena desde 2017, quando Roberson e Brenner marcaram no empate em 2 a 2, pelo Gauchão.
Mesmo com a derrota no primeiro clássico da temporada (1 a 0 no Beira-Rio, pelo Estadual), o momento do Inter é de mudança. A chegada do técnico Eduardo Coudet deu uma nova cara ao clube, que mudou o estilo de jogar e implantou a tão desejada e citada intensidade aplicada pelo treinador argentino.
E, para tentar colocar o time mais ofensivo, Coudet pode deixar D'Alessandro no banco de reservas, mantendo Thiago Galhardo no ataque, assim como fez na vitória sobre os chilenos na estreia do Grupo E. As laterais também fazem parte do mistério do técnico argentino, já que ele fechou o último treino, ontem. Com isso, o Colorado pode ir a campo com Marcelo Lomba; Rodinei (Saravia), Bruno Fuchs, Cuesta e Uendel (Moisés); Musto; Edenilson, Marcos Guilherme e Boschilia; Galhardo (D'Alessandro) e Guerrero.
Já o Grêmio deve repetir praticamente a mesma escalação que venceu o maior rival com gol de Diego Souza já nos acréscimos pelo Estadual. Naquele momento, Renato Portaluppi optou por três volantes, algo não muito comum ao longo destas últimas quatro temporadas à frente da equipe. As únicas trocas devem ocorrer na lateral-esquerda, com Caio Henrique na vaga de Cortez, e na zaga, com a entrada do capitão Geromel e a saída de Paulo Miranda. Kannemann, que treinou alguns dias durante a semana, poderia ser a grande surpresa na escalação, mas não deve ir a campo.
Desta forma, o Tricolor deve receber o Inter com Vanderlei; Victor Ferraz, Geromel, David Braz e Caio Henrique; Maicon, Lucas Silva, Matheus Henrique, Alisson e Everton; Diego Souza. Para uma mudança ao longo da partida, Renato ainda conta com Pepê no banco de reservas. O atacante vive um grande momento e surge com uma ótima opção para dar velocidade ao ataque gremista.