Porto Alegre, segunda-feira, 09 de março de 2020.

Jornal do Comércio

Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

CORRIGIR

Gente

Notícia da edição impressa de 09/03/2020. Alterada em 09/03 às 09h04min

Prisão de Ronaldinho e Assis é ilegal, diz advogado

Ex-jogador da Seleção e seu irmão estão detidos desde a noite de sexta-feira

Ex-jogador da Seleção e seu irmão estão detidos desde a noite de sexta-feira


NORBERTO DUARTE/AFP/JC
O advogado dos irmãos Ronaldinho Gaúcho e Roberto de Assis Moreira, Sérgio Queiroz, afirmou que a prisão dos dois em Assunção, no Paraguai, é "abusiva e ilegal". Em coletiva, concedida ontem na capital paraguaia, o defensor da dupla qualificou a decisão de sábado da juíza Clara Ruíz Díaz, que acatou o pedido do Ministério Público e determinou a prisão de ambos, como "rasgar a legislação paraguaia".
O advogado dos irmãos Ronaldinho Gaúcho e Roberto de Assis Moreira, Sérgio Queiroz, afirmou que a prisão dos dois em Assunção, no Paraguai, é "abusiva e ilegal". Em coletiva, concedida ontem na capital paraguaia, o defensor da dupla qualificou a decisão de sábado da juíza Clara Ruíz Díaz, que acatou o pedido do Ministério Público e determinou a prisão de ambos, como "rasgar a legislação paraguaia".
O ex-jogador e seu irmão e empresário foram detidos na última quarta-feira, portando passaportes paraguaios falsos. A dupla permanece detida no complexo da Agrupação Especializada da Polícia Nacional do Paraguai, onde estão desde sexta-feira, após pedido de detenção pela Procuradoria Geral.
Segundo o advogado, os passaportes teriam sido oferecidos à dupla como forma de facilitar negócios no país, e teriam sido aceitos de boa fé. Na visão de Queiroz, deveria estar sendo respeitada a primeira decisão da promotoria, ainda na quinta-feira, que havia considerado aplicável, para Ronaldinho e Assis, o chamado "critério de oportunidade". O recurso livra do processo suspeitos que admitem a infração, colaboram com a investigação e não têm antecedentes criminais. 
Na sexta, porém, o juiz Mirko Valinotti, do Juizado Penal de Garantias de Assunção, não aceitou a recomendação. Com isso, o caso foi para a Procuradoria Geral, que pediu a prisão preventiva do astro do futebol e de seu irmão.
O promotor também solicitou a prisão da Dalia López, empresária paraguaia responsável pelo convite para Ronaldinho viajar ao Paraguai. Antes, Wilmondes Sousa Lira, brasileiro de 45 anos, foi preso por ter fornecido os documentos falsos aos ex-jogadores.