Porto Alegre, domingo, 26 de julho de 2020.
Dia dos Avós.

Jornal do Comércio

Porto Alegre,
domingo, 26 de julho de 2020.
Corrigir texto

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Copa do Brasil

- Publicada em 21h37min, 04/09/2019. Atualizada em 21h37min, 04/09/2019.

Grêmio perde por 2 a 0 e é eliminado para o Athletico Paranaense nos pênaltis

Renato viu seu time ser totalmente batido e não conseguiu reverter o quadro

Renato viu seu time ser totalmente batido e não conseguiu reverter o quadro


LUCAS UEBEL /GRÊMIO FBPA/DIVULGAÇÃO/JC
O impensável aconteceu. O Grêmio está fora da final da Copa do Brasil. Com uma postura de quem achava que já estava na decisão, o time de Renato Portaluppi se arrastou em campo, não marcou, não atacou, não mostrou vibração em momento algum, e viu a desclassificação vir em uma derrota por 2 a 0 no tempo normal e por 5 a 4 nos pênaltis.
O impensável aconteceu. O Grêmio está fora da final da Copa do Brasil. Com uma postura de quem achava que já estava na decisão, o time de Renato Portaluppi se arrastou em campo, não marcou, não atacou, não mostrou vibração em momento algum, e viu a desclassificação vir em uma derrota por 2 a 0 no tempo normal e por 5 a 4 nos pênaltis.
O Grêmio não parecia o Grêmio na primeira etapa. Descansando desde terça-feira da semana passada, o time titular não demonstrou ânimo em nenhum momento em Curitiba. Sem conseguir manter a posse, os gaúchos "rifavam" a bola a todo momento. As ausências de Everton e Maicon cobraram os seus preços. Sem o atacante, o time não conseguiu manter a bola na frente e pressionar a jovem defesa paranaense. No meio, Rômulo tem característica bastante distinta da do volante ausente, o que fez com que o Tricolor não tivesse a tradicional troca de passes e fizesse seguidamente o uso da ligação direta.
Notícias sobre o Grêmio são importantes para você?
Assim, o desfalcado time do Athletico-PR teve o controle das ações, jogando no campo gremista e levando constante perigo ao gol de Paulo Victor. O cenário poderia ter sido diferente, porém. Logo aos 4 minutos, o árbitro foi ao VAR após a bola tocar no braço de Wellington dentro da área depois de cabeçada de Geromel. O carioca Wagner do Nascimento Magalhães, no entanto, nada marcou.
O que estava em jogo tornou o duelo uma disputa de nervos: muito bate-boca e altercações entre os atletas a cada lance mais ríspido. Aos 14 minutos, o Tricolor perdeu o lateral-direito Leonardo, que sentiu o joelho após cair mal depois de uma disputa no alto. Em seu lugar entrou Galhardo, de atuação ruim na etapa inicial, sendo envolvido pelos atacantes do Furacão.
Foi no pequeno espaço de tempo entre a saída de Leonardo e a entrada de Galhardo que os donos da casa abriram o placar. Aos 16, aproveitando o buraco no lado direito gremista, Rony avançou e colocou na área gaúcha. Bruno Guimarães chegou finalizando e acertou o travessão. No rebote, Nikão mandou para as redes.
Quem esperava que o técnico Renato Portaluppi iria resolver os problemas da equipe no intervalo se enganou redondamente. O Tricolor voltou do vestiário ainda pior e aos 3 minutos Marco Ruben se antecipou à marcação de Geromel e desviou de cabeça cruzamento para fazer o 2 a 0.
Completamente perdido em campo, o Grêmio parecia desnorteado. Marcando mal, sem conseguir atacar, o time não entendia o que estava acontecendo. Jogando ligado nos 110 volts, viu os donos da casa atuarem nos 220v. Batido em todos os aspectos de uma partida de futebol - tecnicamente, fisicamente e motivacionalmente - o Tricolor viu que, no futebol, ganha quem quer mais. E o Athletico-PR quis muito mais.
A correta expulsão de Kannemann aos 15 minutos por entrada violenta tornou trágico o que já estava ruim. Vendo o time se arrastar em campo, Renato tirou seu armador e batedor de pênalti, Jean Pyerre, para colocar um volante, mantendo um sumido Pepê. Antes, para recompor a zaga, havia tirado um André mais uma vez nulo para a entrada de David Braz.
Nos últimos minutos, os paranaenses sentiram o esforço que fizeram e já não pareciam mais terem forças para marcar o terceiro. Assim, a decisão foi para a marca penal. Nas cobranças, Bruno Guimarães, Lucho González, Nikão, Marcelo Cirino e Marco Ruben marcaram para o Furacão. Galhardo, David Braz, Alisson, Matheus Henrique fizeram para os gaúchos, mas Pepê perdeu a última cobrança, determinando a merecida eliminação gremista. 
Athletico Paranaense 2 (5) x 0 (4) Grêmio
Santos; Khellven, Robson Bambu, Lucas Halter e Márcio Azevedo; Wellington (Marcelo Cirino), Léo Cittadini (Lucho González) e Bruno Guimarães; Nikão, Rony (Vitinho) e Marco Ruben. Técnico: Tiago Nunes.
Paulo Victor; Leonardo Gomes (Galhardo), Geromel, Kannemann e Cortez; Rômulo, Matheus Henrique, Alisson, Jean Pyerre (Thaciano) e Pepê; André (David Braz). Técnico: Renato Portaluppi.
Árbitro: Wagner do Nascimento Magalhães (RJ).
Comentários CORRIGIR TEXTO