Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, quinta-feira, 01 de agosto de 2019.

Jornal do Comércio

Esportes

CORRIGIR

Libertadores da América

Edição impressa de 01/08/2019. Alterada em 01/08 às 03h00min

Vitória, vaga e recorde de público no Beira-Rio

Paolo Guerrero marcou o segundo gol colorado já nos acréscimos

Paolo Guerrero marcou o segundo gol colorado já nos acréscimos


/Itamar Aguiar/AFP/JC
Deivison Ávila

Casa cheia e quebra de recorde de público para comemorar a classificação às quartas de final da Libertadores da América. Ao todo, foram 48.530 torcedores no Beira-Rio, ontem, renda de R$ 3.085.090,00 que presenciaram uma grande atuação de D'Alessandro um dia após o argentino comemorar 11 anos de Inter. O Colorado foi superior, controlou a partida e venceu o Nacional do Uruguai por 2 a 0, três no agregado. Agora, pelas quartas de final, o adversário será o Flamengo que, após bater o Emelec por 2 a 0 no tempo normal, venceu os equatorianos por 4 a 2 nos pênaltis na noite de ontem no Maracanã.

Quem mostrou vontade de acabar com o jejum de quase quatro meses sem marcar foi o uruguaio Nico López. As duas primeiras chances vieram com a camisa 7. Aos nove minutos, Uendel tocou para Nico que chutou para boa defesa de Mejía. No minuto seguinte, ele bateu por cima, assustando o goleiro uruguaio.

Já que os atacantes não estavam resolvendo, a zaga subiu ao ataque. Aos 16, D'Ale cobrou escanteio e Moledo, livre, se agachou para cabecear para o fundo das redes.

Os uruguaios apoiados por mais de 2.900 torcedores até tentavam uma reação, mas os colorados seguiam embalados para aumentar ainda mais a vantagem. Aos 33, Nico até balançou as redes, mas o bandeirinha já havia marcado impedimento de Uendel.

Em seguida, Cuesta lançou o uruguaio na cara de Mejía, que saiu nos pés do camisa 7 e afastou o perigo. Nos acréscimos, Nico apareceu sozinho e chutou para marcar o segundo, mas, mais uma vez, o atacante estava impedido.

No intervalo, algumas cadeiras foram arremessadas pelos torcedores do Nacional em direção à torcida colorada. Os times voltaram sem alterações para o segundo tempo. O Nacional ensaiou uma pressão, mas lhe faltou capricho no arremate final. Enquanto isso, o Inter tinha espaços para contra-atacar. Em um desses avanços, Guerrero chutou firme, mas Mejía segurou. Aos 13, foi a vez de D'Ale chutar com perigo, mas a bola saiu à esquerda.

O Inter seguiu em busca do segundo gol. Aos 26, D'Ale tocou para Nonato, que se livrou da marcação e chutou tirando tinta da trave esquerda. Sobis também assustou Mejía. A partida estava controlada, a torcida em chamas e os minutos restantes foram de controle do jogo à espera do apito final. Mas nos acréscimos, assim como em Montevidéu, Guerrero recebeu assistência de Sobis e bateu na saída de Mejía para fazer o segundo e dar números finais ao marcador.

CORRIGIR
Seja o primeiro a comentar esta notícia