Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, domingo, 16 de junho de 2019.

Jornal do Comércio

Esportes

CORRIGIR

copa américa

15/06/2019 - 19h56min. Alterada em 16/06 às 12h12min

Empate sem gols na estreia da Copa América na Arena

Paolo Guerrero tenta o arremate contra a meta venezuelana na Arena do Grêmio

Paolo Guerrero tenta o arremate contra a meta venezuelana na Arena do Grêmio


EVARISTO SA/AFP/JC
Deivison Ávila
Para um modesto público de 13.370, Venezuela e Peru empataram sem gols no segundo jogo do Grupo A, neste sábado, na Arena. Quem foi até o estádio do Grêmio esperando ver gols, teve que se contentar com um jogo fraco tecnicamente, mas, por outro lado, com muito empenho. No final, os venezuelanos saíram no lucro já que jogaram boa parte do segundo tempo com um homem a menos. O resultado foi bom para o Brasil, que acabou líder isolado da chave. Na próxima terça, os brasileiros enfrentam a Venezuela, em Salvador, enquanto que o Peru enfrenta a Bolívia, no Maracanã.
E o primeiro gol da Copa América em Porto Alegre acabou sendo anulado pelo árbitro de vídeo. Logo aos seis minutos de partida, após cobrança de falta, o goleiro venezuelano Fariñez se chocou com Tapia, afastando o perigo. Só que no rebote, Christofer Gonzáles mandou para o fundo das redes. Chamado pelo VAR, Wilmar Roldan anulou o gol, identificando impedimento.
O lance parece ter despertado a Venezuela. Com mais toque de bola e apostando na velocidade dos jovens jogadores – apenas dois atletas têm acima dos 30 anos – começaram a criar. Aos 21, Savarino inverteu para Murillo, que colocou na área. Rondón chutou, mas Gallese, atento, fez grande defesa. Em seguida, Savarino cobrou falta do lado esquerdo, mas Gallese afastou novamente.
O Peru insistia nas jogas em bola parada. Aos 36, na primeira chance mais clara do atacante do Inter, Guerrero recebeu lançamento à frente da área, dominou deixando a marcação, e bateu forte, mas bola saiu pela linha de fundo.
A alteração foi na equipe peruana - saiu Cueva para entrada de Flores -, mas quem voltou com ânimo renovado foram os venezuelanos. Entretanto, aos poucos, apoiado pela maioria de torcedores nas arquibancadas da Arena, o Peru foi crescendo. E como ocorreu na etapa inicial, aos 17, Farfán cabeceou firme para o fundo gol, mas o bandeirinha marcou o impedimento, conformado pelo VAR.
Aos 28, as coisas começaram a encrespar para a Venezuela, Mago de um uma entrada desmedida em Polo, já tinha sido amarelado e acabou expulso. Dois minutos depois, um bombardeio peruano, mas Fariñez salvou a conclusão de Flores. No rebote, Polo toca para Guerrero que para na trave. Mas o bandeirinha já havia dado o impedimento. Aos 35, foi a vez de Fariñez, nome do jogo, defendeu um belo chute de Flores. Os minutos finais foram com os peruanos aproveitando um homem a mais, enquanto que os venezuelanos extremamente contentes com o empate.
Venezuela 0 x 0 Peru
Fariñez; Rosales, Chancellor, Villanueva e Mago; Moreno (Hernández), Rincón e Herrera; Savarino (Machís), Rondón e Murillo (Soteldo). Técnico: Rafael Dudamel.
Gallese; Advíncula, Zambrano, Abram e Trauco; Tapia, Yotún (Polo), Cueva (Flores), Christofer Gonzáles (Carrillo) e Farfán; Paolo Guerrero. Técnico: Ricardo Gareca.
Árbitro: Wilmar Roldan Perez (COL).
CORRIGIR