Porto Alegre, quinta-feira, 30 de julho de 2020.

Jornal do Comércio

Porto Alegre,
quinta-feira, 30 de julho de 2020.
Corrigir texto

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Campeonato Gaúcho

- Publicada em 01h00min, 18/04/2019. Atualizada em 13h13min, 18/04/2019.

Invicto, Grêmio leva o bicampeonato

Após novo empate nos 90 minutos, Tricolor supera o Inter nos pênaltis e levanta a taça

Após novo empate nos 90 minutos, Tricolor supera o Inter nos pênaltis e levanta a taça


MARCELO DE OLIVEIRA/FOTOARENA/FOLHAPRESS/JC
Deivison Ávila
Mais 90 minutos e nada de gols. O Grenal 420 não teve vencedor com a bola rolando na Arena. Nesta quarta-feira, Inter e Grêmio fizeram um jogo repleto de polêmicas, uso do árbitro de vídeo, muitas faltas e clima tenso dentro e fora do gramado. Com a bola rolando, a dupla criou chances, o Grêmio até perdeu uma penalidade no tempo normal.
Mais 90 minutos e nada de gols. O Grenal 420 não teve vencedor com a bola rolando na Arena. Nesta quarta-feira, Inter e Grêmio fizeram um jogo repleto de polêmicas, uso do árbitro de vídeo, muitas faltas e clima tenso dentro e fora do gramado. Com a bola rolando, a dupla criou chances, o Grêmio até perdeu uma penalidade no tempo normal.
O novo empate em 0 a 0 levou a decisão do Gauchão para os pênaltis. E o time com a melhor campanha, a melhor defesa e o melhor ataque levou a taça. Nas penalidades, o Tricolor superou o rival por 3 a 2 e chegou ao 38º título regional sofrendo a menor quantidade de gols na história e sendo o primeira conquista invicta em 54 anos. A grande maioria do público de 51.003 pessoas vibrou.
Clássico que se preze tem que ter mistério. E o Grenal teve. Por mais que o Grêmio tenha repetido a escalação da primeira partida, a novidade estava no banco. Luan, após dez dias afastado para recondicionamento, virou opção. Já o Colorado escondeu até o último instante a presença de Rodrigo Dourado. E, quando saiu a equipe, o capitão estava confirmado. Além dele, William Pottker entrou para reforçar a marcação do forte lado esquerdo gremista. Com isso, D'Alessandro ficou na suplência.
Como de praxe em todo clássico, logo aos cinco segundos já teve falta. Aos três minutos, Kannemann chegou mais forte em Guerrero e acabou recebendo cartão amarelo, seguido de algum bate-boca e troca de empurrões. Com a bola rolando, os dois times buscaram ocupar espaços, mas as linhas de marcação não permitiam que os setores criativos esboçassem algo.
Aos 15 minutos, a primeira chance clara. Na verdade, a bola parou nas redes. Everton arriscou de fora da área, Lomba espalmou para o meio, e André tocou para o fundo do gol. Só que o assistente marcou impedimento. Após consultar o árbitro de vídeo, Jean Pierre Lima confirmou a marcação. Aos 21, os zagueiros gremistas levaram perigo ao gol colorado. Após cobrança de escanteio, Geromel arrumou a bola e Kannemann, girou para bater. Lomba segurou firme dessa vez.
O Colorado só foi assustar o torcedor gremista aos 36 minutos. Nico cobrou falta pela esquerda na segunda trave, onde estava Guerrero. O peruano subiu mais alto que a defesa e cabeceou cruzado, forçando Paulo Victor a fazer boa defesa. No minuto seguinte, Nico tocou para Iago, o lateral cruzou, mas Guerrero não acertou a cabeçada em cheio. Nos acréscimos, Leonardo Gomes arriscou de fora da área, a bola quicou, e Lomba espalmou. Ao todo, o Grenal teve 18 faltas em apenas 45 minutos.
Grêmio 0 (3) x (2) 0  Internacional
Paulo Victor; Leonardo, Pedro Geromel, Kannemann e Bruno Cortez; Maicon (Michel), Matheus Henrique e Jean Pyerre (Luan); Alisson (Diego Tardellli), Everton e André. Técnico: Renato Portaluppi.
Marcelo Lomba; Zeca (Camilo), Rodrigo Moledo, Víctor Cuesta e Iago (Rafael Sóbis); Rodrigo Dourado, Edenílson e Patrick; Nico López, William Pottker (Guilherme Parede) e Paolo Guerrero. Técnica: Odair Hellmann.
Árbitro: Jean Pierre Lima.

Mais confusão, VAR e decisão nos pênaltis

No intervalo, Hellmann sacou Pottker e colocou Guilherme Parede. Quem sofreu o primeiro susto no segundo tempo foi o torcedor colorado. Aos oito minutos, Alisson chutou fraco de fora da área, mas, no meio do caminho, Moledo meteu o pé, e a bola saiu sobre o gol. Cinco minutos depois, os visitantes chegaram duas vezes com perigo. Edenilson fez linda jogada e chutou para Paulo Victor fazer ótima intervenção. Na cobrança de escanteio, Moledo saltou bonito e cabeceou firme, mas, desta vez, o goleiro gremista saltou e segurou firme.

E, em um jogo onde as faltas e as polêmicas foram protagonistas, o árbitro de vídeo roubou a cena. Aos 22, Everton lançou em profundidade Cortez dentro da área. O lateral caiu após contato com Parede e pediu pênalti. Em seguida, o VAR chamou a atenção de Jean Pierre que foi até o monitor, olhou duas vezes, e marcou a penalidade - o atacante colorado puxou o calção do gremista.

Antes da cobrança, D'Alessandro, em aquecimento, foi expulso, assim como Odair Hellmann. Depois de oito minutos de muita confusão, André cobrou, Lomba saltou no canto esquerdo e defendeu.

O pênalti perdido foi um balde de água fria na Arena. Por outro lado, o Inter cresceu, tentou criar alguns lances perigosos, mas sem sucesso. Os donos da casa apostaram nos contra-ataques com a velocidade de Everton, mas o camisa 11 gremista parou na trave já nos acréscimos. 

A igualdade levou a decisão para os pênaltis. Na primeira cobrança, Camilo parou em Paulo Victor e Diego Tardelli marcou. Sobis converteu, mas Everton bateu para fora a segunda série. Na sequência, Guerrero e Matheus Henrique fizeram. Na quarta batida, Paulo Victor defendeu o chute de Cuesta, e Lomba a de Michel. Nas últimas cobranças, Nico desperdiçou e André deu o título para os donos da casa. Grêmio bicampeão gaúcho.

De contestado a herói improvável, Paulo Victor foi o nome da noite

Goleiro gremista defendeu três cobranças nas penalidades e garantiu o título gremista na Arena
Goleiro gremista defendeu três cobranças nas penalidades e garantiu o título gremista na Arena
/MAX PEIXOTO/DIAESPORTIVO/FOLHAPRESS/JC
Deivison Ávila
Se teve alguém que comemorou a conquista do Gauchão mais que o goleiro Paulo Victor, certamente essa pessoa não esteve na Arena. Contestado, apelidado de chama-gol, mesmo tendo sofrido pouquíssimos nesta temporada, o camisa 1 foi o herói da noite. "Eu não sou herói, só estou fazendo o meu trabalho, focado. Eu trabalha sempre com humildade. A cobrança é grande, mas é boa", resumiu o goleiro que defendeu três penalidades na Arena.
Em meio à festa, o presidente gremista, Romildo Bolzan Júnior, foi direto. "Ninguém merecia mais esse título do que o Grêmio", definiu o presidente vitorioso. O treinador Renato Portaluppi chegou a sua segunda taça estadual, mas a primeira sobre o maior rival. "Já estou cansado de dar volta olímpica. Uma média de um título a cada seis meses desde que estou aqui", brincou o comandante.
 
Comentários CORRIGIR TEXTO