Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, quarta-feira, 24 de outubro de 2018.
Dia das Nações Unidas - ONU.

Jornal do Comércio

Esportes

COMENTAR | CORRIGIR

Libertadores

Edição impressa de 24/10/2018. Alterada em 24/10 às 00h39min

A um empate da grande final

De cabeça, Michel (c) garantiu a vantagem tricolor sobre os argentinos

De cabeça, Michel (c) garantiu a vantagem tricolor sobre os argentinos


/ JUAN MABROMATA/AFP/JC
Com a Arena locada para receber o show da colombiana Shakira, a cabeça dos gremistas ontem estava voltada para um estádio a mais de mil quilômetros de distância. E, mesmo sem dar espetáculo, o time gaúcho não frustrou as expectativas no Monumental de Nuñez, lotado. Desfalcado de alguns de seus principais jogadores, o técnico Renato Portaluppi mandou a campo uma formação capenga, mas que mostrava eficácia para segurar um empate sem gols contra o temível River Plate. O resultado, porém, acabou sendo melhor do que a encomenda: em uma jogada de bola parada, Michel fez 1 a 0, deixando o Grêmio a um empate da final da Libertadores da América.
Sem Luan e Everton, lesionados, Portaluppi adotou uma postura mais conservadora, com o time marcando muito - e bem. A tática irritou os argentinos, que, com dificuldades para criar, pressionaram a arbitragem o tempo todo, reivindicando dois pênaltis inexistentes. Mesmo recuado, o time gaúcho conseguiu a primeira boa chance, aos 24 minutos, em chute de Cícero que Armani espalmou. A atuação segura do Tricolor só foi ameaçada no final do primeiro tempo, quando Palacios, aos 30, e Pity Martínez, aos 38, obrigaram Marcelo Grohe a fazer duas boas defesas.
No segundo tempo, o técnico Marcelo Gallardo resolveu mandar seu time pra cima, e, logo aos quatro minutos, a defesa tricolor levou um susto em cabeceio de Maidana por cima do travessão. A estratégia argentina, porém, foi por água abaixo quando o Grêmio aproveitou uma de suas raras incursões ao ataque. Aos 16, Alisson cobrou escanteio no primeiro pau e Michel, de cabeça, balançou as redes.
Nervoso, o River partiu para a pressão, mas esbarrou na exemplar marcação tricolor, comandada pela dupla Geromel/Kannemann. No final, a pressão desordenada dos hermanos não foi suficiente para impedir a vitória do Grêmio, que ficou um pouquinho mais próximo do tetra. Ao deixar o gramado, Michel, que vinha de uma série de lesões, desabafou. "É emocionante! Só eu sei o que passei. Muito trabalho, fisioterapia, para ser coroado com esse gol. É sensacional", comemorou o volante.
A partida de volta acontece na terça-feira, às 21h45min, na Arena. O Tricolor não terá Kannemann, que levou o terceiro cartão amarelo. O vencedor encara na final o ganhador do duelo entre Palmeiras e Boca Juniors. O primeiro jogo entre paulistas e argentinos será hoje, às 21h45min, na Bombonera.
River Plate 0 x 1 Grêmio
  Franco Armani; Gonzalo Montiel, Jonatan Maidana, Javier Pinola, Milton Casco; Leonardo Ponzio (Enzo Pérez), Exequiel Palacios (Ignacio Fernández); Juan Fernando Quintero, Ignacio Scocco (Lucas Pratto), Martínez e Rafael Santos Borré. Técnico: Marcelo Gallardo.
Marcelo Grohe; Leonardo, Geromel, Kannemann, Cortez; Maicon, Michel, Cícero, Ramiro (Thaciano), Alisson; Jael (Thonny Anderson). Técnico: Renato Portaluppi.
Árbitro: Víctor Hugo Carrillo (Peru).
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia