Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, sexta-feira, 29 de junho de 2018.
Dia da Telefonista.

Jornal do Comércio

Esportes

COMENTAR | CORRIGIR

Futebol

13/06/2018 - 15h08min. Alterada em 13/06 às 15h08min

Uefa arquiva investigação contra o PSG por desrespeito ao Fair Play Financeiro

Na última temporada, clube francês pagou 222 milhões de euros somente pelo atacante Neymar

Na última temporada, clube francês pagou 222 milhões de euros somente pelo atacante Neymar


ALAIN JOCARD/AFP/JC
A Uefa comunicou que o Paris Saint-Germain cometeu um "desvio aceitável" e não será punido por desrespeito ao Fair Play Financeiro. Antes do anúncio, a Câmara de Investigação do Controle Financeiro dos Clubes da Uefa (CFCB) analisou as operações do clube feitas nos anos de 2015, 2016 e 2017.
A entidade que dirige o futebol europeu afirmou que uma investigação do órgão concluiu que o PSG inflou o valor divulgado de contratos de patrocínio, entre eles os firmados com o governo do Catar, com quem os donos do clube têm ligações estreitas. Entretanto, mesmo admitindo esta manobra financeira, a Uefa entendeu que o clube agiu de uma forma que pôde ser considerada "aceitável".
De acordo com o diário francês L'Equipe, porém, o PSG deverá receber dos seus proprietários ou outras fontes de renda o aporte de 60 milhões de euros (cerca de R$ 262 milhões) para equilibrar as finanças em caixa, sob o risco de ser punido se não cumprir a determinação até o fim de junho.
De acordo com as regras de Fair Play Financeiro da Uefa, um clube não pode gastar mais de 5 milhões de euros (cerca de R$ 22 milhões) do que arrecadou no último triênio. Um dono de clube pode dar garantias financeiras para extrapolar esse limite, mas o gasto não poderia passar de 30 milhões de euros (aproximadamente R$ 131 milhões).
Na última temporada, o PSG pagou 222 milhões de euros (algo em torno de R$ 822 milhões na época) só em Neymar. Outra contratação feita em 2017 foi a de Kylian Mbappé, sob o regime de empréstimo e consumada em definitivo a partir da próxima temporada, que custou 180 milhões de euros (cerca de R$ 785 milhões) entre pagamento fixo e aditivos que dependem de metas a serem alcançadas pelo jogador.
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia