Porto Alegre, quarta-feira, 06 de novembro de 2019.

Jornal do Comércio

Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Seguros Previdência 2019

COMENTAR | CORRIGIR

Reportagem especial

Notícia da edição impressa de 31/10/2019. Alterada em 06/11 às 15h30min

Mudança tem sido gradual em busca de inovação

Plataforma desenvolvida por Pagnussatt  permite cotações simultâneas para a contratação de produtos junto às seguradoras

Plataforma desenvolvida por Pagnussatt permite cotações simultâneas para a contratação de produtos junto às seguradoras


MARCO QUINTANA/JC
A indústria do seguro está passando por um processo de evolução e vem sendo incrementada, principalmente, pelo aumento da experiência digital e mobile para melhorar tanto o gerenciamento de risco quanto a interação com o segurado. Na avaliação do presidente da Confederação Nacional das Empresas de Seguros Gerais, Previdência Privada e Vida, Saúde Suplementar e Capitalização (CNseg), Marcio Coriolano, a migração para a economia digital se materializa de forma gradual, contínua e estruturada nos seguros. "Dentro de algumas semanas, por exemplo, vamos promover, pelo 13º ano, o Insurance Service Meeting e, pelo quarto ano, o Encontro de Inteligência de Mercado, eventos que demonstram como tecnologia e inovação são relevantes para o setor", esclarece.
A indústria do seguro está passando por um processo de evolução e vem sendo incrementada, principalmente, pelo aumento da experiência digital e mobile para melhorar tanto o gerenciamento de risco quanto a interação com o segurado. Na avaliação do presidente da Confederação Nacional das Empresas de Seguros Gerais, Previdência Privada e Vida, Saúde Suplementar e Capitalização (CNseg), Marcio Coriolano, a migração para a economia digital se materializa de forma gradual, contínua e estruturada nos seguros. "Dentro de algumas semanas, por exemplo, vamos promover, pelo 13º ano, o Insurance Service Meeting e, pelo quarto ano, o Encontro de Inteligência de Mercado, eventos que demonstram como tecnologia e inovação são relevantes para o setor", esclarece.
Segundo a superintendente da Superintendência de Seguros Privados (Susep), Solange Vieira, a utilização da tecnologia no mercado deve ser vista como uma aliada. "No futuro, não existirá mais setor de vendas se o produto não estiver no celular, e precisamos estar preparados para esse novo processo produtivo que se coloca", afirmou ela, durante o 21º Congresso Brasileiro dos Corretores de Seguros, realizado em outubro, na Bahia. Para acelerar esse processo, Solange cita a incorporação da apólice eletrônica e dos seguros temporários e intermitentes no mercado.
Para o diretor-geral da Refere Tecnologia, Vinicius Pagnussatt, ainda hoje, os canais tradicionais, como os corretores, instituições financeiras, concessionárias, imobiliárias e redes de varejo concentram a distribuição de seguros. No entanto, as insurtechs - startups criadas para fomentar a transformação na performance das corretoras de seguro, com o intuito de digitalizar e otimizar as operações - estão atuando como verdadeiras corretoras virtuais, focadas em canais digitais e em novos formatos de produtos, como o seguro pay-per-use (pague por uso, em tradução livre).
Nesse cenário, os consumidores esperam interações cada vez mais rápidas, seja pessoalmente, por telefone, internet, e-mail ou chat. Contudo, pelas caraterísticas específicas do seguro, esses contatos, além de atenderem às necessidades do consumidor, devem ser consistentes. "Os clientes estão habituados a contar com alguém próximo, geralmente o corretor, ou alguém relacionado ao seguro, à concessionária ou à instituição financeira, para prestar assistência na eventualidade de um sinistro. Por outro lado, as seguradoras vêm investindo massivamente em seus canais digitais de atendimento, buscando se relacionar mais diretamente com os segurados", diz.
A plataforma para a contratação e gestão de seguros é utilizada em mais de 5 mil pontos de atendimento, por 22 mil pessoas. "Ela agiliza o atendimento, possibilitando cotações simultâneas e contratação dos produtos das seguradoras parceiras dos nossos clientes", explica o diretor.

Ferramentas facilitam o trabalho e otimizam tempo operacional

Borghetti acompanha a evolução e foca na ampliação da gama de serviços
Borghetti acompanha a evolução digital do mercado e foca na ampliação da gama de produtos
ARQUIVO PESSOAL/DIVULGAÇÃO/JC
De olho neste novo momento do segmento, o corretor de seguros João Borghetti, natural de São Marcos, é usuário da plataforma desenvolvida pela Refere. Ele conta que especializou-se na Capital e decidiu retornar à cidade natal para investir na área. "Tornei-me sócio de uma corretora em São Marcos e iniciamos uma estratégia de ampliar a rede com franquias. Investimos em treinamento dos franqueados, especialmente em tecnologia, gestão, multicálculo, na aplicabilidade do site responsivo para smartphone. Agora, a tendência é cada vez mais acompanharmos essa evolução e ampliarmos a gama de produtos", assegura.
Na sua avaliação, a rentabilidade das corretoras é crescente e acompanha o mercado em expansão. "Hoje, atuamos nos segmentos de automóveis, seguro agrícola, previdência privada e consórcio de seguro de vida, mas já estamos estendendo para produtos na área de saúde", destaca.
Borghetti ressalta a importância de os corretores buscarem a atualização, sobretudo no campo digital. "Ainda que seja importante e diria até fundamental, a assessoria do corretor em segmentos como a previdência privada, é preciso também acompanhar essa evolução para atrair os jovens, que estão conectados e atentos ao mercado digital", alerta ele, explicando que, mesmo com todo o avanço tecnológico, as mudanças no setor estão sendo graduais.
Ele conta com 89 franqueados no País, muitos em home-office. "Utilizamos a plataforma na nuvem e temos acesso de casa. A ferramenta facilita o trabalho, pois é moderna, prática e otimiza nosso tempo. Assim, focamos no comercial e não perdemos tempo com o operacional", enfatiza.
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia

EXPEDIENTE

Editor-chefe: Guilherme Kolling (guilhermekolling@jornaldocomercio.com.br) | Produção: Fernanda Crancio (especiais@jornaldocomercio.com.br) | Reportagem: Anelise Cáceres | Diagramação: Ingrid Müller, Juliano Bruni, Kimberly Winheski, Luis Gustavo Van Ondheusden e Taimá Walther | Projeto gráfico: Luis Gustavo Van Ondheusden | Revisão: Rafaela Milara