Porto Alegre, segunda-feira, 26 de outubro de 2020.
Dia do Trabalhador da Construção Civil. Dia da Democracia.

Jornal do Comércio

Porto Alegre,
segunda-feira, 26 de outubro de 2020.
Corrigir texto

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

tecnologia

- Publicada em 00h00min, 16/10/2020.

'Smartphones com rodas' exigem vias conectadas e inteligentes

Sá, Brazil e Santos são sócios da startup Valencia Energia

Sá, Brazil e Santos são sócios da startup Valencia Energia


/UNITEC /DIVULGAÇÃO/JC
Os carros estão se transformando em grandes smartphones com rodas, mas não adianta ter veículos elétricos e autônomos se não tivermos vias para carregá-los. Quando se pensa nas estradas do futuro, definitivamente, a terraplanagem é apenas uma parte do processo. "É preciso projetar a inteligência da malha viária e a possibilidade cada vez mais real de carros e vias se comunicarem e poderem poder gerar dados para a tomada de ação", afirma o CMO da Valencia Energia, Eliézer Brazil. A startup está instalada na Unitec/Tecnosinos e trabalha há alguns anos desenvolvendo soluções para mitigar problemas atuais e antecipar problemas futuros no que diz respeito a mobilidade.
Os carros estão se transformando em grandes smartphones com rodas, mas não adianta ter veículos elétricos e autônomos se não tivermos vias para carregá-los. Quando se pensa nas estradas do futuro, definitivamente, a terraplanagem é apenas uma parte do processo. "É preciso projetar a inteligência da malha viária e a possibilidade cada vez mais real de carros e vias se comunicarem e poderem poder gerar dados para a tomada de ação", afirma o CMO da Valencia Energia, Eliézer Brazil. A startup está instalada na Unitec/Tecnosinos e trabalha há alguns anos desenvolvendo soluções para mitigar problemas atuais e antecipar problemas futuros no que diz respeito a mobilidade.
"A chegada dos carros elétricos e a consolidação de tecnologias como a Internet das Coisas (IoT) trazem uma série de soluções para problemas antigos, e que não temos como resolver hoje com as nossas vias", aponta.
O empreendedor acredita que, no futuro, ao planejar uma via, questões como conectividade, eletropostos, sensores e muitos sistemas inteligentes deverão ser considerados. A startup atua hoje na modelagem de soluções de last mile, incluindo patinetes e bicicletas elétricas e compartilhadas. Mas, em outra frente, já realiza estudos para viabilizar Eletrovias - vias com postos de carregamento de veículos elétricos, rede de dados e infraestrutura ao longo de sua extensão.
Dentro da Associação Brasileira do Veículo Elétrico, Brasil comenta que grupos temáticos já discutem a infraestrutura, regulação e modelos de parcerias público privadas para viabilizar esses projetos. "Acreditamos firmemente que empresas como a nossa podem e vão contribuir para a solução dos problemas das cidades, desde que para isso haja interesse e empenho dos governantes, estruturando projetos que venham a ser sustentáveis pra ambos", analisa.
A Valencia Energia já atua com algumas soluções dentro de cidades, mas, no médio prazo, quer chegar nas eletrovias, que são vias com postos de carregamento automático dos carros elétricos. A ideia é que as pessoas possam gerar energia nas suas casas, injetar os créditos na concessionária e usá-los para abastecer os veículos na estrada. "Hoje não existem eletropostos nas vias, algo que a iniciativa privada pode financiar. Mas aí tem as questões regulatórias do uso destes créditos que precisam ser resolvidas. É preciso criar marcos legais para que os créditos energéticos transitem", explica.
E como será a estrada do futuro? Do ponto de vista do abastecimento dos veículos, os eletropostos são o primeiro passo. Mas, dá para pensar mais longe. O empreendedor vislumbra um cenário em que tudo será conectado via IoT permitindo que as vias conversem com os carros. "O carro vai avisar para a estrada que a sua bateria está baixa e ela vai identificar as demandas de todos os carros na região e alocar para o posto mais indicado", exemplifica. Para isso acontecer, porém, é preciso que as estradas passem a ter uma rede de dados de alta velocidade, para que os sensores possam se comunicar.
 
Comentários CORRIGIR TEXTO