Porto Alegre, sexta-feira, 14 de dezembro de 2018.
Dia Nacional do Ministério Público.

Jornal do Comércio

Perspectivas 2019

COMENTAR | CORRIGIR

Infraestrutura

Notícia da edição impressa de 14/12/2018. Alterada em 13/12 às 23h00min

Governo tentará novamente privatizar estatais de energia

Realização do processo de venda das companhias CEEE, Sulgás e CRM é uma dúvida para o próximo ano

Realização do processo de venda das companhias CEEE, Sulgás e CRM é uma dúvida para o próximo ano


/FERNANDO C. VIEIRA/CEEE/DIVULGAÇÃO/JC
Jefferson Klein
Uma das certezas mais absolutas para o próximo ano na área de energia é que o governo de Eduardo Leite tentará obter êxito onde José Ivo Sartori não conseguiu: privatizar as estatais CEEE, Sulgás e CRM. Em compensação, uma das maiores dúvidas é se conseguirá. A secretária estadual de Desenvolvimento Econômico e de Minas e Energia, Ciência e Tecnologia, Susana Kakuta, pondera que, depois da experiência em 2018, é muito complicado avaliar quão difícil será passar o processo de privatização das estatais pela Assembleia Legislativa em 2019.
"O que eu posso dizer é que, cada vez mais, os cidadãos vão ver a importância de focar os escassos recursos do estado do Rio Grande do Sul nas áreas estratégicas", enfatiza. A secretária vê a privatização como um caminho sem volta. Susana reforça que o atual governo preparou essas estatais para essa etapa. "A gente sabe que o maior valor que se recebe por um ativo é quando esse ativo está o mais saudável possível", frisa. Por isso, diz a secretária, avançou-se em pontos como governança, melhorias econômico-financeiras e ações que trazem mais segurança para um eventual investidor e valorizam as empresas.
Susana argumenta que não se pode desassociar a questão do Rio Grande do Sul do cenário nacional. A dirigente destaca que o momento que passou, de profunda recessão e muita incerteza política, impactou diretamente a economia. Agora, a perspectiva é mais positiva, com a aposta de recuperação econômica do País, o que terá reflexos para o Estado. O coordenador do grupo temático de energia da Fiergs, Edilson Deitos, é outro que espera novos investimentos na área de energia em 2019. Um segmento que deve crescer é o fotovoltaico, sendo que, no Rio Grande do Sul, essa área deve se desenvolver, especialmente, no campo da geração distribuída (produção de eletricidade no local de consumo, com a possibilidade de jogar o excedente na rede elétrica e usufruir de créditos para abater na conta de luz).
De empreendimentos de maior porte a serem desenvolvidos no Estado é possível citar, ainda, o terminal de Gás Natural Liquefeito (GNL) e a termelétrica de Rio Grande, projetos capitaneados pela Bolognesi, mas que o grupo gaúcho tentou repassar a outros empreendedores. No entanto, a secretária de Minas e Energia admite que são iniciativas que enfrentam dificuldades. A primeira delas, ressalta Susana, é dentro da Agência Nacional de Energia Elétrica (Aneel), que revogou a outorga de autorização da usina. "São projetos que já perderam uma fração importante do seu tempo", aponta Susana. A retomada dessas iniciativas, reitera a dirigente, tem que passar pelo órgão regulador. "São empreendimentos grandes, significativos, a gente sabe da importância disso para a região, mas me parece que, neste momento, eles estão quase que inviabilizados", comenta.
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia

EXPEDIENTE

Editor-chefe: Guilherme Kolling | Editor de Economia: Luiz Guimarães | Editores: Ana Fritsch, Cristiano Vieira, Carol Zatt, Daniel Sanes, Juliano Tatsch, Luciana Radicione, Luciane Medeiros, Marcelo Beledeli, Mauro Belo Schneider, Cristine Pires, Paula Coutinho e Paula Quedi | Repórteres: Adriana Lampert, Bruna Suptitz, Carlos Villela, Carolina Hickmann, Deivison Ávila, Fernanda Crancio, Guilherme Daroit, Igor Natusch, Isabella Sander, Jefferson Klein, Marcus Meneghetti, Lívia Araújo, Roberta Mello, Thiago Copetti, Ricardo Gruner, Patrícia Knebel, e Suzy Scarton | Projeto gráfico: Luís Gustavo S. Van Ondheusden | Diagramação: Caroline Motta, Ingrid Muller, Juliano Bruni, Kimberly Winheski | Revisão: Rafaela Milara e Thiago Nestor | Transposição para a internet: Equipe do JC On-Line e i94.Co. - Jornal do Comércio