Porto Alegre, domingo, 19 de julho de 2020.
Nelson Mandela Day.

Jornal do Comércio

Porto Alegre,
domingo, 19 de julho de 2020.
Corrigir texto

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Meio Ambiente

- Publicada em 03h27min, 05/06/2020. Alterada em 10h10min, 05/06/2020.

Os dois motores da sustentabilidade: investidores e consumidores

Para o economista, volta da normalidade dependerá de uma vacina

Para o economista, volta da normalidade dependerá de uma vacina


/LUIZA PRADO/JC
Fernanda Wenzel, especial para o JC
Em janeiro, o CEO e presidente do conselho da BlackRock - maior gestora de recursos do mundo - surpreendeu na tradicional carta que escreve todos os anos ao mercado financeiro. Larry Fink avisou que, até o final de 2020, a BlackRock vai zerar os investimentos em empresas que tenham mais de 25% do faturamento proveniente do carvão térmico. Na hora da BlackRock decidir onde investir, os fatores ASG passarão a ter a mesma importância que os riscos de crédito e de liquidez.
Em janeiro, o CEO e presidente do conselho da BlackRock - maior gestora de recursos do mundo - surpreendeu na tradicional carta que escreve todos os anos ao mercado financeiro. Larry Fink avisou que, até o final de 2020, a BlackRock vai zerar os investimentos em empresas que tenham mais de 25% do faturamento proveniente do carvão térmico. Na hora da BlackRock decidir onde investir, os fatores ASG passarão a ter a mesma importância que os riscos de crédito e de liquidez.
"O mercado está mudando", resume o ex-secretário estadual da Fazenda Aod Cunha, ao lembrar que o fundo soberano da Noruega - o maior do mundo -, recentemente, excluiu a Vale e a Petrobras de sua carteira de investimentos. O motivo? Os desastres humanos e ambientais causados pela mineradora em Minas Gerais e pela empresa de energia em Belo Monte, no Pará."A velocidade da mudança que estamos vendo, com empresas mais engajadas, ocorreu principalmente porque o mercado financeiro e os grandes fundos de investimento começaram a pressionar as companhias", explica Aod.
A pressão é maior para as empresas que operam na bolsa de valores e atuam no mercado externo, mas também afeta as organizações menos internacionalizadas. Muitos bancos, por exemplo, já têm equipes especializadas em avaliar os riscos ambientais dos empreendimentos - o que pode resultar em juros mais altos ou até na negativa de crédito.
Bancos e investidores não querem apenas preservar suas reputações - ficando longe de empresas envolvidas em desastres ambientais -, mas também evitar prejuízos. Um bom exemplo vem da Braskem. Durante a crise hídrica que atingiu São Paulo em 2014, muitas empresas tiveram que parar de funcionar pela falta de água. Não foi o caso da petroquímica, que tinha investido em um serviço de reaproveitamento da água do esgoto para uso industrial."A Braskem não parou de funcionar um minuto, porque se antecipou a este risco", lembra Jorge Soto, diretor de Sustentabilidade da companhia.
Além de prevenir riscos, investir em sustentabilidade também diminui custos. Por exemplo: se a empresa gera menos resíduos, vai gastar menos para tratá-los. Um estudo feito pelo CEBDS com 61 empresas mostrou que investimentos de US$ 17,5 bilhões em iniciativas sustentáveis converteram-se em um lucro de US$ 124 bilhões, além de terem livrado as companhias de um risco da ordem de US$ 45 bilhões.
De olho nesses números, os investidores pressionam cada vez mais as empresas. Mas não estão sozinhos. O segundo motor da economia verde está do outro lado do balcão. Os consumidores - especialmente os mais jovens - devem escantear as marcas que não informarem de onde vem sua matéria-prima, para onde vão seus resíduos e como tratam seus empregados."A sociedade vai mudando de valores. A empresa que quiser sobreviver tem que se adequar o quanto antes, porque o cerco está se fechando", alerta Karen Tanaka, do CEBDS.

Renner: uma gaúcha entre as mais sustentáveis do mundo

CADERNO DO MEIO AMBIENTE LOJAS RENNER DIVULG Tag Re_Divulgação_LojasRenner
Pela sexta vez consecutiva, a varejista também compõe o Índice de Sustentabilidade da bols
LOJAS RENNER/DIVULGAÇÃO/JC
A Renner é uma das sete empresas brasileiras no prestigiado Índice de Sustentabilidade da Dow Jones, da bolsa de Nova York - e a única do varejo. Um feito conquistado pela quinta vez na história da organização. O índice - composto por 318 empresas de 27 países - foi o primeiro a selecionar organizações líderes em sustentabilidade do mundo."Isso nos coloca em outro patamar", afirma Eduardo Ferlauto, gerente sênior de Sustentabilidade da Lojas Renner.
Pela sexta vez consecutiva, a varejista também compõe o Índice de Sustentabilidade da bolsa de valores brasileira, o ISE. Na prática, esses feitos se revertem em mais investimentos, já que diversos fundos de ações usam os índices de sustentabilidade para escolher as empresa de seus portfólios."Desde que o ISE surgiu, suas empresas tiveram uma valorização 200% maior que o Índice Bovespa. Isso mostra o que, de fato, é estar dentro de uma carteira seleta como essa", concluiu Ferlauto.
Em 2018, a Renner lançou o selo Re de moda responsável - que usa processos ou matérias-primas de menor impacto ambiental."A partir do selo Re, a gente conseguiu engajar não só os colaboradores, mas toda a rede de fornecedores, para começar a desenvolver processos menos impactantes de matérias-primas", conta Ferlauto. A empresa quer ter 100% de sua cadeia de fornecedores de revenda com certificação socioambiental até o final de 2021.

Sicredi: bem mais que números

CADERNO MEIO AMBIENTE - Nome do município da foto:  Campos Borges/RS
- Nome dos associados: Supermercado Irmãos Ferrari
- Crédito da imagem: Paulo Sérgio Ferrari  SICREDI
45% das placas instaladas no Estado em 2019 tiveram financiamento do Sicredi
PAULO SÉRGIO FERRARI/DIVULGAÇÃO/JC
A diretoria do Sicredi sempre achou que as demonstrações financeiras - cheias de tabelas, números de gastos e faturamento - não davam conta de mostrar tudo que a organização fazia junto às comunidades."Os impactos no dia a dia são muito maiores do que é possível registrar na contabilidade. Foi aí que a gente começou a discussão para publicar o relatório de sustentabilidade, para mostrar o que o Sicredi tem que o torna diferente das outras instituições financeiras", conta o vice-presidente da Central Sicredi Sul/Sudeste, Márcio Port. O último relatório, de 2019, é o oitavo da história da companhia.
Organizado em cooperativas, o Sicredi tem 4,5 milhões de associados - 1,8 milhão no Rio Grande do Sul - e está presente em 22 estados e no Distrito Federal. Entre as principais ações na área ambiental está a oferta de linhas de crédito e consórcios para a economia verde, com foco em projetos de baixa emissão de carbono, maior eficiência dos recursos e inclusão social. No ano passado, esse tipo de financiamento alcançou R$ 11,2 bilhões em todo o Brasil. Os destaques foram a agricultura de baixo carbono e a energia solar - 45% das placas instaladas no Estado em 2019 tiveram financiamento do Sicredi.

Braskem: sustentabilidade como trampolim

Como uma empresa petroquímica pode se destacar no tema da sustentabilidade? A Braskem mostrou que isso é possível em 2010, ao inaugurar, no Polo Petroquímico de Triunfo, a maior unidade de eteno verde do mundo. Usado como matéria-prima para a produção das resinas, o material é feito a partir da cana-de-açúcar e vendido a mais de 150 clientes de todo o mundo."A Braskem não era conhecida pelos seus produtos tradicionais no mundo inteiro, mas passou a ser reconhecida pelos produtos de origem renovável. Isso aumenta a atratividade da empresa, motiva novos investimentos", afirma Jorge Soto, diretor de Sustentabilidade da Braskem. A companhia conta com 41 unidades industriais em quatro países, seis delas estão no Rio Grande do Sul, além de um dos Centros de Tecnologia e Inovação. A Braskem está no Índice de Sustentabilidade da bolsa brasileira (ISE) desde a primeira edição, em 2005. Segundo Soto, a pressão por práticas mais sustentáveis estimula a inovação."Hoje, a maior produtora mundial de biopolímeros está em Triunfo."
Comentários CORRIGIR TEXTO