Porto Alegre, domingo, 19 de julho de 2020.
Nelson Mandela Day.

Jornal do Comércio

Porto Alegre,
domingo, 19 de julho de 2020.
Corrigir texto

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Meio ambiente

- Publicada em 18h46min, 04/06/2020. Alterada em 18h57min, 05/06/2020.

Empresas gaúchas apostam na sustentabilidade

Grandes corporações e pequenos negócios puxam o movimento de responsabilidade ambiental

Grandes corporações e pequenos negócios puxam o movimento de responsabilidade ambiental


Freepik.com/Divulgação/JC
Fernanda Wenzel, especial para o JC
Pressionadas por consumidores e investidores, as empresas se preocupam cada vez mais com os impactos ambientais de suas atividades. No Rio Grande do Sul, grandes corporações e pequenos negócios puxam a frente desse movimento. A onda ambiental, que começou a ganhar força nos anos 1990, chega a 2020 no auge de sua potência.
Pressionadas por consumidores e investidores, as empresas se preocupam cada vez mais com os impactos ambientais de suas atividades. No Rio Grande do Sul, grandes corporações e pequenos negócios puxam a frente desse movimento. A onda ambiental, que começou a ganhar força nos anos 1990, chega a 2020 no auge de sua potência.
Para serem reconhecidas como sustentáveis, as companhias precisam mudar de verdade - de dentro para fora."Houve um amadurecimento na maneira como as empresas entendem a sustentabilidade", afirma Isabela Domenici, sócia da Ricca Sustentabilidade, consultoria empresarial especializada no tema. Cada vez mais, a responsabilidade ambiental deixa de ser vista como um assistencialismo separado do restante do negócio para entrar na estratégia da corporação.
Cada empresa tem que se preocupar com os impactos que o seu negócio produz no mundo - e não estamos falando apenas dos impactos ambientais. O meio ambiente responde por apenas uma das três letras da sigla ASG, que entrou de vez no dicionário corporativo. Nos manuais de responsabilidade empresarial, os temas sociais e de governança tornaram-se indissociáveis da pauta ecológica.
Junto com a sigla surgiram diversas ferramentas para medir e comunicar em detalhes os impactos e as ações de mitigação das empresas, sendo os relatórios de sustentabilidade as mais conhecidas. No Brasil, o documento é obrigatório para as companhias públicas e/ou sociedades de economia mista, e para as empresas do setor elétrico.
Mas cada vez mais corporações o fazem voluntariamente - e não só por uma questão de marketing."As questões sociais e ambientais impactam no negócio. Não se trata de uma agenda positiva, e sim de riscos e oportunidades, e, para melhor gerir essa agenda, você tem que ter informação", afirma Sônia Favaretto, presidente do Conselho Consultivo da GRI no Brasil - entidade que criou o modelo de relatório de sustentabilidade mais usado no mundo.
Por enquanto, a prática de publicar informações socioambientais é mais comum entre as grandes companhias brasileiras - em especial as que vendem ações na bolsa. O maior exemplo é a Natura, empresa de cosméticos que se tornou benchmark de sustentabilidade pela atuação junto a comunidades da Amazônia.
O Rio Grande do Sul também tem bons exemplos para mostrar, de empresas que fazem questão de prestar contas anualmente de seus impactos e iniciativas na área ambiental. São organizações que entenderam que, em breve, ser sustentável deixará de ser um diferencial. Será questão de sobrevivência.

Conheça 10 grupos do RS que publicam de forma voluntária relatórios de sustentabilidade

CADERNO MEIO AMBIENTE SLC 2019
Diversas empresas do RS fazem a publicação de relatórios de forma anual ou integrada
REPRODUÇÃO/JC
  • Braskem - Publica relatórios de sustentabilidade desde 2004. Em 2018, a empresa aumentou em 30% os investimentos em produtos e processos mais sustentáveis.
  • BSBios - A empresa de energia renovável publica relatórios de sustentabilidade desde 2017. Em 2019, o destaque foi o reaproveitamento de materiais, de modo que menos de 0,97% dos resíduos foi para aterros.
  • CMPC - A multinacional do setor de celulose publica relatórios integrados desde 2010. Em 2019, investiu R$ 100 milhões em um sistema de drenagem pluvial para monitoramento e tratamento da água da chuva. A obra fica pronta em setembro.
  • Gerdau - Publica o relato integrado desde 2000, e o último se refere a 2018. Um dos destaques é a transformação do subproduto do processo de produção de aço em fertilizantes, segundo princípios da economia circular.
  • Renner - Publica relatórios integrados desde 2014. Em 2019, a empresa produziu 46,7 milhões de peças com o Selo Re Moda Responsável, o que representa 31% do total de produtos do ano.
  • SLC Agrícola - Publica relatórios de sustentabilidade desde 2016 e, em 2019, adotou relatório integrado. A empresa, que produz soja, algodão e milho, mantém 99,4 mil hectares de áreas preservadas e apoia projetos como Cabeceiras do Pantanal e Conservação da Biodiversidade no Cerrado.
  • Sicredi - Publica relatórios de sustentabilidade desde 2012. No último, destaque para o financiamento de R$ 11,2 bilhões em economia verde. Da capacidade instalada de energia solar no Estado em 2019, 45% foi financiada pelo Sicredi.
  • Kepler Weber - Publica relatórios de sustentabilidade desde 2012 (só não publicou em 2017). Em 2019, a empresa conseguiu zerar o envio de resíduos perigosos para aterro industrial. Do total de energia elétrica consumida, 68% veio de fontes renováveis.
  • BRK Ambiental - A empresa de saneamento criada em 2017 publicou seu primeiro relatório anual em 2019. Destaque para o projeto em parceria com a ONG Water.org, que oferece crédito barato para que as famílias de baixa renda tenham acesso a água e saneamento.
  • Randon - Publica relatórios de sustentabilidade desde 2008, mas não de forma periódica. Em 2018, o grupo investiu R$ 12 milhões em ações de preservação e conservação ambiental.
     

Minidicionário de sustentabilidade empresarial

  • ASG: Sigla para aspectos ambientais, sociais e de governança. Também é muito usada em inglês como ESG: environmental, social and corporate governance.
  • Governança corporativa: É um conjunto de processos, políticas e regulamentos que garantem a confiabilidade da empresa diante de seus acionistas, clientes e investidores.
  • GRI: Do inglês, Global Reporting Initiative (Iniciativa Global de Relatórios). Entidade internacional que estabelece os parâmetros e indicadores a serem seguidos em um relatório de sustentabilidade.
  • Frameworks: Diretrizes gerais definidas por organizações como a GRI ou o Conselho Internacional de Relatórios Integrados.
  • Stakeholder: Palavra em inglês usada para designar qualquer pessoa que tenha alguma relação com a empresa. Pode ser um investidor, consumidor, funcionário, fornecedor, acionista ou um morador da comunidade onde o negócio está inserido.
  • CEBDS: Conselho Empresarial Brasileiro para o Desenvolvimento Sustentável. É uma associação formada por 60 dos maiores grupos empresariais do País. Promove o desenvolvimento sustentável por meio da articulação junto aos governos e à sociedade.
  • Economia circular: Confecção de novos produtos a partir de materiais usados. Evita o descarte em aterros e aumenta o ciclo de vida dos recursos.
     
Comentários CORRIGIR TEXTO