Porto Alegre, sexta-feira, 18 de outubro de 2019.
Dia do Médico.

Jornal do Comércio

Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Medicina e Saúde 2019

COMENTAR | CORRIGIR

HOMENAGEM

Notícia da edição impressa de 18/10/2019. Alterada em 18/10 às 03h00min

Dia do Médico reverencia São Lucas

Santo, que  viveu no século I da era cristã, é o padroeiro dos médicos

Santo, que viveu no século I da era cristã, é o padroeiro dos médicos


MATHEUS WECKI/DIVULGAÇÃO/JC
No dia 18 de outubro, a igreja comemora a memória de São Lucas Evangelista. Médico, se tornou padroeiro da categoria. O santo viveu no século I da era cristã, em Antioquia, onde atualmente está a Turquia. São Lucas estudou medicina em Alexandria e exerceu o ofício em Roma, onde foi médico do imperador Tibério. Apesar disso, buscava praticar a medicina entre os mais necessitados, afastando-se, depois de certo tempo, das atividades no palácio.
Na bíblia, as primeiras citações sobre Lucas estão nas epístolas de Paulo, que fazem referência a ele como "colaborador" e "o médico amado" (CI 4:14). Apesar disso, antes mesmo de se converter ao cristianismo, ele dedicava a vida aos humildes, pregando a solidariedade e o amor. Por isso, desde o século XV, comemora-se o Dia do Médico na data de seu nascimento, 18 de outubro.
Para muitos médicos, São Lucas serve de inspiração, devido ao trabalho e à atenção aos mais necessitados. O presidente do Conselho Regional de Medicina do Rio Grande do Sul (Cremers), Eduardo Trindade, conta que, em geral, os médicos são espiritualizados. "Não importa qual o credo, mas em geral, algo que une os médicos é acreditar que existe algo maior. Todos têm uma espiritualidade muito aflorada, mas não há como saber se é algo religioso, e sim que há uma crença em algo maior", comenta.
Apesar disso, o dirigente não acredita que há uma questão mística, mágica ou até milagrosa por trás do ofício que segue. "Acreditamos que um paciente com alto astral, que está tranquilo, vai ter um processo com melhor resultado. Tem é que cuidar do paciente, tratar o caso e fazer o apoio com a família", explica.
Durante a graduação em medicina os novos profissionais também passam pelo rito do Juramento de Hipócrates, que consagra os médicos e suas vidas ao serviço humanitário. Para o médico residente Leonardo Nogueira, o que esse texto prega aos novos profissionais se mantém atualizado, pois estabelece os princípios da bioética médica: a beneficência, a não maleficência e a justiça.
Ele comenta ainda que o juramento também serviu de fundamento para a elaboração do primeiro Código de Ética Médica, que estabeleceu os deveres da privacidade e confidencialidade da relação médico-paciente, que se traduz no sigilo profissional.
Na publicação, os médicos assumem o compromisso com a saúde e o bem-estar do doente, respeitando a dignidade e autonomia, e não permitindo que considerações sobre idade, doença ou deficiência, crença religiosa, origem étnica, sexo, nacionalidade, filiação política, raça, orientação sexual, estatuto social ou qualquer outro fator se interponha entre o médico e o paciente.
Esse juramento tradicionalmente marca a todos os médicos, que se comprometem a seguir fielmente os preceitos ditados por Hipócrates.
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia

EXPEDIENTE

Editor-chefe: Guilherme Kolling (guilhermekolling@jornaldocomercio.com.br) | Produção: Fernanda Crancio (especiais@jornaldocomercio.com.br) | Reportagem: Eduarda Endler | Diagramação: Ingrid Müller, Juliano Bruni, Kimberly Winheski, Luis Gustavo Van Ondheusden e Taimá Walther | Projeto gráfico: Luis Gustavo Van Ondheusden | Revisão: Rafaela Milara