Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, quarta-feira, 22 de janeiro de 2020.

Jornal do Comércio

Economia

COMENTAR | CORRIGIR

Transportes

07/06/2019 - 15h28min. Alterada em 07/06 às 17h40min

Empresa cria cabine para descanso de caminhoneiros

Cabine tem 2,40 metros de comprimento por 1,80 de largura, ar condicionado e colchão especial

Cabine tem 2,40 metros de comprimento por 1,80 de largura, ar condicionado e colchão especial


MARIANA CARLESSO/JC
Thiago Copetti, de Bento Gonçalves
Uma pequena cabine, de 2,40 metros de comprimento por 1,80 de largura, equipada com cama com colchão especial e ar condicionado, chamou a atenção de muitos visitantes da 21ª edição da Transposul, Feira e Congresso de Transporte e Logística, em Bento Gonçalves.
Uma pequena cabine, de 2,40 metros de comprimento por 1,80 de largura, equipada com cama com colchão especial e ar condicionado, chamou a atenção de muitos visitantes da 21ª edição da Transposul, Feira e Congresso de Transporte e Logística, em Bento Gonçalves.
Criado pela startup SllepBoll, o pequeno dormitório foi idealizado com a ideia de ser um espaço de descanso para motoristas profissionais em viagem. O desenvolvimento exigiu até agora investimento de R$ 500 mil.
Concebido inicialmente como forma de ajudar a reduzir as mortes no trânsito, causadas muitas vezes por condutores exaustos, o produto não teve o apelo social que imaginava o fundador, Luciano Paixão. A proposta com esse foco mais humano não atraiu investidores.
“Em 20 anos, o Brasil somou 672 mil mortes no trânsito e mais de 2 milhões de incapacitados, o que gera, além de uma tragédia pessoal e familiar, enormes custos à previdência”, explica Paixão. 
De acordo com o empresário diferentes estudos apontam que grande parte dos acidentes nas estradas é  causada por cansaço do condutor. O negócio, que teve pouco interesse por parte das empresas, postos de combustíveis e transportadoras, ganhou impulso com a entrada em vigor da lei 13.103/2015, determinando um limite de horas de trabalho e descanso dos profissionais.
Foi assim que o SleepBoll começou a ganhar atratividade e agora entra em testes pilotos em uma grande siderúrgica gaúcha e já está em uso em um posto de combustíveis da rede Buffon, em Nova Santa Rita, às margens da BR-386, segundo Paixão.
“No caso da empresa de siderurgia que solicitou um teste piloto, o foco é nos motoristas que precisam ficar aguardando para uma entrega ou carregamento por longas horas e necessitam descansar para poder seguir viagem”, explica o empreendedor.
As cabines podem ser instaladas em pontos de descanso nas estradas, em empresas com grande movimentação de caminhões, como no transporte das safras de grãos, e postos de combustíveis. Com o forte atrativo da legislação trabalhista, Paixão agora comemora inclusive a possibilidade de atrair investidores ou mesmo o uso de linhas de crédito via Bndes. 
“Até o final do ano, temos a perspectiva de comercializar 3 mil cabines em todo o Brasil”, calcula Paixão.
O valor da cabine é R$ 25 mil. A startup trabalha com mais de uma forma de exploração do negócio. O investidor pode comprar e ter receita na operação ou na locação. 

Como funciona do SleepBoll

{'nm_midia_inter_thumb1':'https://www.jornaldocomercio.com/_midias/jpg/2019/06/06/206x137/1_sleepboll_na_feira_transposul__3_-8746775.jpg', 'id_midia_tipo':'2', 'id_tetag_galer':'', 'id_midia':'5cf983e03d3b3', 'cd_midia':8746775, 'ds_midia_link': 'https://www.jornaldocomercio.com/_midias/jpg/2019/06/06/sleepboll_na_feira_transposul__3_-8746775.jpg', 'ds_midia': 'SleepBoll na Feira Transposul (', 'ds_midia_credi': 'MARIANA CARLESSO/JC', 'ds_midia_titlo': 'SleepBoll na Feira Transposul (', 'cd_tetag': '1', 'cd_midia_w': '800', 'cd_midia_h': '533', 'align': 'Left'}
  • O motorista baixa o aplicativo e, quando acionado, recebe pelo sistema onde está a cabine mais próxima disponível.
  • Ele recebe um código que utiliza para abrir a porta, que automaticamente aciona os sistemas de iluminação e a ar-condicionado. A cabine é abastecida por energia solar.
  • Ao sair, o motorista encerra a diária e um alerta é enviado ao proprietário da cabine para que seja feita a limpeza e o espaço possa ser novamente liberado para uso.
  • O custo é de R$ 12,00 por hora.
  • Mais informações em sleepboll.com.br.
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia