Porto Alegre, domingo, 24 de maio de 2020.
Dia Nacional do Café.

Jornal do Comércio

Porto Alegre,
domingo, 24 de maio de 2020.
Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

CORRIGIR

Indústria Automotiva

24/05/2019 - 04h14min. Alterada em 24/05 às 12h08min

Após negociações, GM anuncia investimentos de R$ 10 bilhões até 2024

Vendas de automóveis cresceram 13,6% no ano passado, segundo a Fenabrave

Vendas de automóveis cresceram 13,6% no ano passado, segundo a Fenabrave


GM/DIVULGAÇÃO/JC
João Dienstmann
Um dos setores que mais sentiu a crise econômica, o segmento automotivo vê, desde 2018, a perspectiva da volta de dias melhores na indústria e no comércio. O consenso era da necessidade de uma retomada econômica e um cenário menos instável para que pudessem ser retomados investimentos, como expansões das plantas existentes ou até mesmo a manutenção delas em alguns estados.
Um dos setores que mais sentiu a crise econômica, o segmento automotivo vê, desde 2018, a perspectiva da volta de dias melhores na indústria e no comércio. O consenso era da necessidade de uma retomada econômica e um cenário menos instável para que pudessem ser retomados investimentos, como expansões das plantas existentes ou até mesmo a manutenção delas em alguns estados.
Uma dessas montadoras foi a General Motors (GM). Instalada em Gravataí, na região metropolitana de Porto Alegre, a empresa norte-americana sinalizou uma possível saída do Brasil caso não voltasse a ter lucro. O presidente da General Motors Mercosul, Carlos Zarlenga, informou em janeiro que investimentos e o futuro do grupo na região dependiam da volta da lucratividade das operações ainda este ano. Em nota, Zarlenga afirmou que houve "significativo prejuízo" da montadora entre 2016 e 2018 e pediu aos funcionários "um pouco de sacrifício" para que pudesse retomar os patamares anteriores à instabilidade econômica.
Após o comunicado, a empresa começou uma negociação para revisão de itens do contrato de trabalho junto ao Sindicato dos Metalúrgicos de Gravataí, mas, após uma pressão dos funcionários e um princípio de greve, decidiu recuar e tratar de maneira gradual possíveis ajustes. O diretor do Complexo Industrial da GM em Gravataí, Luís Mesa, afirma que a empresa "não teve a intenção de deixar o Brasil" e que se tratava de um plano de viabilidade para manutenção dos negócios no País. "Estivemos trabalhando com nossos concessionários, sindicatos, funcionários, fornecedores e governo para tomar ações necessárias, visto que acumulamos perdas sucessivas devido a vários fatores econômicos. Foi graças ao sucesso deste plano que conseguimos viabilizar um novo ciclo de investimento", explica Mesa.
Após negociações com governos estaduais e o executivo federal, a GM anunciou investimentos na ordem de R$ 10 bilhões entre 2020 e 2024. O valor será desembolsado principalmente no desenvolvimento e no lançamento de tecnologias inovadoras e produtos inéditos. Estão programados para este ano o lançamento de 11 novidades, com um novo modelo do Chevrolet Cruize, com conexão via wi-fi e 4G integrado, "uma inovação que irá impactar o setor automotivo como a chegada dos smartphones na telefonia", segundo afirma Mesa.
Um dos caminhos para melhora do cenário, na visão do diretor da planta de Gravataí, é otimizar a política de exportações. Mesa prega a desoneração por parte do governo para ampliar o volume de veículos levados ao exterior. "No setor automotivo, temos uma grande oportunidade de aproveitar a capacidade instalada que temos para nos tornar um polo exportador de verdade. Para isso, é necessária a criação de uma política específica de desoneração para exportação. Nós, como líderes de mercado, estamos encabeçando essa discussão que visa a transformação necessária no modelo de negócio da indústria no Brasil", conta o diretor.
Comentários