Porto Alegre, segunda-feira, 12 de abril de 2021.
Páscoa. Dia do Obstetra.
Porto Alegre,
segunda-feira, 12 de abril de 2021.
Corrigir texto

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Saúde

- Publicada em 19h43min, 12/04/2021.

Após colapso em março, situação nos Pronto Atendimentos e na UPA de Porto Alegre se estabiliza

Nesta segunda-feira (12), Postão da Cruzeiro não registrava pacientes aguardando leitos

Nesta segunda-feira (12), Postão da Cruzeiro não registrava pacientes aguardando leitos


MARIANA ALVES/JC
Yasmim Girardi
Quase um mês depois do colapso nos Pronto Atendimentos (PAs) e na Unidade de Pronto Atendimento (UPA) de Porto Alegre, o número de pacientes em atendimento nesses locais diminuiu consideravelmente. Ainda que os PAs da Bom Jesus, da Cruzeiro do Sul e da Lomba do Pinheiro e a UPA Moacyr Scliar (Zona Norte) continuem com mais de 100% de lotação, a demanda não é mais tão alta.
Quase um mês depois do colapso nos Pronto Atendimentos (PAs) e na Unidade de Pronto Atendimento (UPA) de Porto Alegre, o número de pacientes em atendimento nesses locais diminuiu consideravelmente. Ainda que os PAs da Bom Jesus, da Cruzeiro do Sul e da Lomba do Pinheiro e a UPA Moacyr Scliar (Zona Norte) continuem com mais de 100% de lotação, a demanda não é mais tão alta.
Segundo o painel de monitoramento de emergências da prefeitura de Porto Alegre (PMPA), o PA da Bom Jesus tem 13 pacientes internados em observação para sete leitos, registrando 185,7% de lotação. O PA da Cruzeiro do Sul também tem 13 pacientes em observação para 12 leitos, com 108,3% de lotação. Já o PA da Lomba do Pinheiro é o com maior lotação, de 177,7%. Lá, são 16 pacientes internados para nove leitos. Na UPA Zona Norte - Moacyr Scliar, tem 25 pacientes para 17 leitos, apontando 147% de lotação.
No dia 15 de março, os PAs da Bom Jesus, da Cruzeiro do Sul e da Lomba do Pinheiro e a UPA Zona Norte tinham, respectivamente, 35, 64, 35 e 59 pacientes internados. Na época, a grande maioria era de pacientes diagnosticados com Covid-19, que ficavam nas unidades aguardando leitos hospitalares. As UPAs 24h e os PAs são, teoricamente, locais de transição, onde os pacientes graves deveriam ficar até 12h antes de serem transferidos, mas que, por falta de leitos, acabavam ficando por dias. Em março, 46 pacientes aguardavam leitos de UTI. Agora, apenas dois pacientes do PA da Lomba do Pinheiro e um paciente da UPA Zona Norte estão no aguardo, representando uma redução de 93%.
No PA da Cruzeiro do Sul, até sexta-feira (9), apenas quatro dos pacientes em observação eram pacientes de Covid-19. Segundo o médico da coordenação municipal de urgências da Secretaria Municipal da Saúde (SMS), Diego Fraga, há duas semanas os PAs voltaram a atender outros pacientes, já que o número da demanda de Covid-19 diminuiu consideravelmente. “Abrimos mão dessa estratégia porque os funcionários dos PAs começaram a ficar ociosos nas suas funções. Agora estamos passando por uma normalidade”, explica.
Além disso, 11 dos 18 hospitais da Capital estão abaixo dos 100% de lotação. Os únicos que estão superlotados no momento são o Hospital Nossa Senhora da Conceição (145,7%), o Hospital Moinhos de Vento (130,3%), o Hospital São Lucas (125,4%), o Hospital Cristo Redentor (110,2%) e o Hospital Femina (150%). Ainda, os hospitais Mãe de Deus e Ernesto Dornelles estão com 100% de lotação. Ao total, são 679 casos suspeitos e confirmados de Covid-19 nas UTIs. Em todos os hospitais, há 79 pacientes com Covid-19 na emergência aguardando leitos de UTI. 
Comentários CORRIGIR TEXTO
Conteúdo Publicitário