Porto Alegre, sábado, 27 de março de 2021.
Dia Internacional do Teatro e Dia do Circo.

Jornal do Comércio

Porto Alegre,
sábado, 27 de março de 2021.
Corrigir texto

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Saúde

- Publicada em 14h36min, 27/03/2021.

The New York Times diz que colapso na saúde do Brasil era previsto e destaca situação de Porto Alegre

Correspondentes do jornal vieram até Porto Alegre, onde viram a situação crítica nos hospitais

Correspondentes do jornal vieram até Porto Alegre, onde viram a situação crítica nos hospitais


SILVIO AVILA/HCPA/DIVULGAÇÃO/JC
Maior jornal do mundo, o The New York Times afirmou em manchete do site neste sábado (27) que o colapso do sistema de saúde brasileiro era previsto em meio ao espalhamento da variante do vírus de Manaus, mais contagiosa, brigas políticas e desconfiança na ciência.
Maior jornal do mundo, o The New York Times afirmou em manchete do site neste sábado (27) que o colapso do sistema de saúde brasileiro era previsto em meio ao espalhamento da variante do vírus de Manaus, mais contagiosa, brigas políticas e desconfiança na ciência.
Segundo a reportagem, são atitudes políticas como essa que acabaram levando o Distrito Federal e 16 estados a ter escassez de leitos disponíveis, falta de oxigênio e de kits de intubação. Hoje, o Brasil é o país que mais soma novas mortes e casos de coronavírus por dia no mundo.
E o principal incentivador dessa postura é o presidente Jair Bolsonaro, ainda de acordo com o jornal. Bolsonaro minimizou a ameaça do vírus, que chamou de "gripezinha", promove remédios ineficazes para tratar a doença, incentiva aglomerações e critica as tentativas dos governadores de impor isolamentos mais rígidos.
Segundo o The New York Times, epidemiologistas dizem que o Brasil poderia ter evitado o colapso se o governo tivesse promovido o uso de máscaras e distanciamento social e negociado o acesso às vacinas desde o ano passado.
O jornal relembrou que a gestão de Bolsonaro rejeitou a oferta da Pfizer de dezenas de milhões de doses da vacina. O presidente também comemorou contratempos nos testes clínicos da CoronaVac, a vacina chinesa da qual o Brasil passou a depender, e brincou que as empresas farmacêuticas não seriam responsabilizadas se pessoas que recebessem vacinas se transformassem em jacarés.
A reportagem mostra outras teorias da conspiração e fake news que as pessoas acreditam, como a de que a vacina mataria mais que o vírus.
"Na quarta-feira (24), o País ultrapassou 300 mil mortes de Covid-19, com cerca de 125 brasileiros sucumbindo à doença a cada hora. Autoridades de saúde em hospitais públicos e privados estavam lutando para expandir as unidades de cuidados intensivos, estocar suprimentos cada vez menores de oxigênio e adquirir escassos sedativos para intubação", relatou o jornal norte-americano.
Folhapress
Comentários CORRIGIR TEXTO