Porto Alegre, segunda-feira, 22 de fevereiro de 2021.

Jornal do Comércio

Porto Alegre,
segunda-feira, 22 de fevereiro de 2021.
Corrigir texto

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Saúde

- Publicada em 12h29min, 22/02/2021. Atualizada em 16h03min, 22/02/2021.

UTIs de Porto Alegre operam acima da capacidade

Seis hospitais de Porto Alegre têm UTIs lotadas, duas acima da capacidade 'normal', caso do Moinhos

Seis hospitais de Porto Alegre têm UTIs lotadas, duas acima da capacidade 'normal', caso do Moinhos


JOYCE ROCHA/JC
Atualizada às 15h de 22/02/2021
Atualizada às 15h de 22/02/2021
Com demanda cada vez maior de pacientes com Covid-19 que precisam cuidados intensivos e mais complexos, UTIs de Porto Alegre já operam acima da capacidade operacional e precisam instalar leitos em áreas já esgotadas.
Este é o caso do Hospital Moinhos de Vento, que está com 115% de ocupação nesta segunda-feira (22), segundo o painel das unidades, monitorado pela área de Regulação da Secretaria Municipal da Saúde. 
O sistema como um todo somava, no começo da tarde, 766 pacientes para 823 vagas, com ocupação de 97%, ou seja, perto do colapso. Eram 445 casos de Covid-19 confirmados e 60 suspeitos, ou seja: os dois juntos somam 505 casos. O maior número da pandemia foi 347 em 4 de setembro de 2020. 
Por volta das 15h, a stuação teve uma leve amenizada, com seis hospitais com UTIs lotadas, uma acima da capacidade "normal". Houve aumento de vagas na Santa Casa, que impactou o número total de vagas no sistema, que subiu a 836 leitos. Com isso, a lotação média na cidade caiu a 95,5%. 
No Estado, a Secretaria da Saúde orientou nesta segunda-feira a suspensão de cirurgias não urgentes em todos os hospitais, colocando toda a estrutura de equipamento e pessoal possível para o atendimento dos casos da pandemia.  
Na prática, a Regulação da pasta da Saúde na Capital, que faz a ponte entre os pacientes que chegam às unidades de saúde primárias e aos prontos atendimentos que precisam da rede hospitalar, já trabalha com a condição de esgotamento, informou o diretor da área, Jorge Osório. A razão: existiam 128 pacientes nas emergências dos hospitais à espera de leitos de UTI, maior parte associada ao coronavírus. Do total, 53 são de confirmados para Covid-19.
O Moinhos, que foi o primeiro no atual estágio a suspender ciriurgias não urgentes e já restringiu outros atendimentos, tem 76 casos, sendo 47 de Covid-19, para 66 vagas. Leitos que eram de retaguarda foram transformados em de UTI, explicou a instituição. Nos últimos dias, o estabelecimento acrescentou 10 vagas, passando de 56 a 66 leitos. O aumento recente serve para dar conta de novos pacientes mais graves com o novo coronavírus.
Outra situação coloca em alerta a instituição. O Moinhos tem o maior número de pacientes com Covid-19 em leitos clínicos nesta segunda-feira em toda a estrutura hospitalar. São mais de 70 pacientes. Parte deles pode ter agravamento e demandar leitos em UTI.
A Santa Casa chegou a ter ocupação acima de 100% nos centros intensivos. Após ampliação de vagas, o número passou a 111 doentes para 125 leitos. 
Outras cinco unidades estavam com 100% de lotação - São Lucas, Independência, Hospital de Pronto Socorro, Fêmina e Mãe de Deus, o mais recente a ter comprometimento total, tendo os 60 leitos ocupados.
Já os maiores hospitais que atendem SUS e também casos da pandemia,o Hospital de Clínicas e o Conceição, estão quase com 100% de ocupação.
Comentários CORRIGIR TEXTO