Porto Alegre, sexta-feira, 22 de janeiro de 2021.

Jornal do Comércio

Porto Alegre,
sexta-feira, 22 de janeiro de 2021.
Corrigir texto

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Saúde

- Publicada em 21h13min, 21/01/2021. Atualizada em 09h57min, 22/01/2021.

Anvisa se reúne com laboratório da vacina Sputnik V

Imunizante russo foi o primeiro contra Covid-19 a ser registrado no mundo, em agosto

Imunizante russo foi o primeiro contra Covid-19 a ser registrado no mundo, em agosto


NATALIA KOLESNIKOVA/AFP/JC
A Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) se reuniu nesta quinta-feira (21) com representantes da União Química, laboratório brasileiro que participa do consórcio envolvido na produção da vacina Sputnik V, desenvolvida pelo Instituto Gamaleya, da Rússia.
A Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) se reuniu nesta quinta-feira (21) com representantes da União Química, laboratório brasileiro que participa do consórcio envolvido na produção da vacina Sputnik V, desenvolvida pelo Instituto Gamaleya, da Rússia.
De acordo com a Agência, o grupo à frente da vacina russa ainda não entrou com o pedido de autorização emergencial. As organizações participantes do consórcio já divulgaram a intenção de entrar com a solicitação.
Mas, acrescenta a nota da Anvisa, o laboratório demonstrou interesse em apresentar a solicitação, o que colocaria a possibilidade real de uma terceira vacina ser oferecida no país. Atualmente a Anvisa já forneceu a autorização para uso emergencial para as vacinas da Astrazeneca/Oxford/Fiocruz e do Instituto Butantan/Sinovac.
A Anvisa informou que a União Química também não apresentou novos documentos. No domingo (17), a agência havia recusado o envio de material do consórcio apontando a insuficiência do cumprimento de requisitos.
Uma nova reunião deverá ser marcada entre a Anvisa e os representantes da vacina russa para avançar na discussão sobre o pedido de autorização para uso em caráter emergencial no Brasil. Mas a agência não adiantou data.
Agência Brasil
Comentários CORRIGIR TEXTO