Porto Alegre, quinta-feira, 21 de janeiro de 2021.
Feriado nos EUA: Dia de Martin Luther King.

Jornal do Comércio

Porto Alegre,
quinta-feira, 21 de janeiro de 2021.
Corrigir texto

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Saúde

- Publicada em 13h05min, 21/01/2021.

Melo garante que 'kit Covid' será disponibilizado na rede pública de Porto Alegre

Prefeito disse que "se vier a medicação, ela será colocada na rede pública"

Prefeito disse que "se vier a medicação, ela será colocada na rede pública"


JOYCE ROCHA/JC
O prefeito de Porto Alegre, Sebastião Melo, garantiu que a prefeitura irá disponibilizar na rede pública municipal de saúde os medicamentos do chamado “kit Covid” para tratamento da Covid-19. A posição do prefeito se mantém mesmo após a Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) confirmar o que especialistas e entidades como a Sociedade Brasileira de Infectologia já dizia desde meados do ano passado: drogas como cloroquina, hidroxicloroquina e ivermectina são ineficazes no combate ao novo coronavírus.
O prefeito de Porto Alegre, Sebastião Melo, garantiu que a prefeitura irá disponibilizar na rede pública municipal de saúde os medicamentos do chamado “kit Covid” para tratamento da Covid-19. A posição do prefeito se mantém mesmo após a Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) confirmar o que especialistas e entidades como a Sociedade Brasileira de Infectologia já dizia desde meados do ano passado: drogas como cloroquina, hidroxicloroquina e ivermectina são ineficazes no combate ao novo coronavírus.
Em entrevista à Rádio Gaúcha na manhã desta quinta-feira (21), Melo afirmou que a posição externada no início do ano se mantém. “Se vier a medicação, ela será colocada na rede pública. Se tiver receita, ela será entregue. O prefeito nem indica nem desindica cloroquina”, disse Melo.
A reportagem do Jornal do Comércio pediu um posicionamento do prefeito a respeito da questão, mas, até a publicação desta matéria, não havia recebido um retorno.
No domingo (17), na sessão que liberou o uso emergencial das vacinas Coronavac e de Oxford/Astrazenenca no Brasil, a Anvisa desindicou o uso dos medicamentos, afirmando, pela primeira vez, que não existe tratamento precoce para a doença.
Na terça-feira (19), o Tribunal de Contas do Rio Grande do Sul (TCE-RS) acolheu um pedido de investigação feito pelo Ministério Público de Contas para que a corte apure as aquisições, pelas administrações públicas, de medicamentos sem eficácia comprovada para tratamento precoce de pacientes com Covid-19.
A prefeitura, por meio da Secretaria Municipal de Saúde (SMS), informou que os medicamentos que serão disponibilizados na cidade não foram comprados, e sim serão recebidos do Ministério da Saúde. Em razão disso, a prefeitura considera não estar no escopo de investigação do TCE-RS. Conforme o prefeito, o ministério ainda não enviou a medicação solicitada.
Comentários CORRIGIR TEXTO