Porto Alegre, terça-feira, 05 de janeiro de 2021.

Jornal do Comércio

Porto Alegre,
terça-feira, 05 de janeiro de 2021.
Corrigir texto

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

saúde

- Publicada em 10h01min, 05/01/2021. Atualizada em 14h53min, 05/01/2021.

Laboratórios da Índia asseguram fornecimento de vacinas e aliviam o Brasil

Possibilidade de veto à exportação por parte do governo indiano preocupou a Fiocruz

Possibilidade de veto à exportação por parte do governo indiano preocupou a Fiocruz


JUSTIN TALLIS/AFP/JC
Os laboratórios Serum Institute e Bharat Biotech, da Índia, emitiram nota conjunta na manhã desta terça-feira (5) assegurando o fornecimento global de vacinas contra a Covid-19 produzidas no país.
Os laboratórios Serum Institute e Bharat Biotech, da Índia, emitiram nota conjunta na manhã desta terça-feira (5) assegurando o fornecimento global de vacinas contra a Covid-19 produzidas no país.
O comunicado vem após o CEO do Instituto Serum, Adar Poonawalla, afirmar, no último domingo (3) que não haveria permissão do governo local para a exportação dos imunizantes. A fala suscitou preocupações no Brasil, que já a vacina desenvolvida pela AstraZeneca em parceria com Universidade de Oxford, principal aposta do Ministério da Saúde para imunização dos brasileiros, é fabricada em solo indiano.
"As duas companhias comunicam a intenção conjunta de desenvolver a produção e fornecimento de vacinas contra a Covid-19 para a Índia e o mundo", diz a nota. "Vacinas são um bem de saúde pública global e têm o poder de salvar vidas e acelerar o retorno da economia à normalidade o mais cedo possível", acrescenta. Não há citação específica, contudo, ao imunizante da AstraZeneca e da Oxford.
"Pai" da polêmica, Poonawalla compartilhou o comunicado dos laboratórios em seu Twitter e chamou o suposto veto à exportação das vacinas de "falha de comunicação". "As exportações de vacinas são permitidas para todos os países. (...) Estamos todos unidos na luta contra esta pandemia", publicou.
A possibilidade de veto à exportação por parte do governo indiano preocupou a Fundação Oswaldo Cruz (Fiocruz), que articula a importação de 2 milhões de doses prontas do imunizante. O Itamaraty chegou a ser acionado para tentar reverter a situação junto a Nova Délhi.
Agência Estado
Comentários CORRIGIR TEXTO