Porto Alegre, terça-feira, 24 de novembro de 2020.

Jornal do Comércio

Porto Alegre,
terça-feira, 24 de novembro de 2020.
Corrigir texto

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Saúde

- Publicada em 13h18min, 24/11/2020. Atualizada em 15h43min, 24/11/2020.

Taxa de transmissão da Covid-19 no Brasil é a maior desde maio, aponta Imperial College

Com a pandemia em expansão, cada 100 pessoas transmitem a doença para outras 130

Com a pandemia em expansão, cada 100 pessoas transmitem a doença para outras 130


Maria Ana Krack/PMPA/Divulgação/JC
O Imperial College de Londres atualizou nesta terça-feira (24) os índices de transmissão do novo coronavírus no mundo todo. E, para o Brasil, a notícia é nada boa. Conforme o relatório da instituição britânica, a taxa de transmissão (RT) do vírus no País está em 1,30. Ou seja, cada 100 pessoas transmitem a doença para outras 130.
O Imperial College de Londres atualizou nesta terça-feira (24) os índices de transmissão do novo coronavírus no mundo todo. E, para o Brasil, a notícia é nada boa. Conforme o relatório da instituição britânica, a taxa de transmissão (RT) do vírus no País está em 1,30. Ou seja, cada 100 pessoas transmitem a doença para outras 130.
O índice é o maior registrado no Brasil desde maio e indica que a pandemia está acelerando no País. Quando o índice fica acima de 1, o indicativo é de que o novo coronavírus está se espalhando e ganhando corpo. Abaixo de 1, é sinal de que a transmissão está em declínio.
No relatório anterior, do dia 16 de novembro, o RT brasileiro era de 1,10. Ou seja, cada 100 pessoas contaminadas transmitiam o vírus para 110.
O índice atual de transmissão só se compara ao da semana do dia 24 de maio, quando era de 1,31. Desde aquela data, o RT nunca esteve tão alto no País. O RT esteve abaixo de 1 no Brasil por cinco semanas consecutivas, entre o fim de setembro e o fim de outubro.
Há duas semanas, o número ficou em 0,68, o menor valor desde abril. A data coincide com o atraso na atualização de casos e mortes por Covid-19 pelo Ministério da Saúde. Problemas técnicos atrasaram o registro de novos casos e mortes. A pasta reconheceu na sexta-feira, 13, indícios de um ataque cibernético em seu sistema, mas ainda não há laudo conclusivo. Como o estudo considera esses dados, as estimativas também foram afetadas. A taxa de contágio retrata uma média nacional, sem abordar as particularidades de cada estado ou região.
A média móvel diária de mortes causadas pelo novo coronavírus no Brasil ficou em 496 nesta segunda-feira, (23). O cálculo registra as oscilações dos últimos sete dias e elimina distorções entre um número alto de meio de semana e baixo de fim de semana.
Comentários CORRIGIR TEXTO